A diferença entre médicos que fazem marketing de conteúdo e os que não fazem: dados que irão convencê-lo a investir na sua presença digital

marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo é uma prática que tem conquistado cada vez mais espaço. Essa estratégia é nada mais nada menos do que a oferta de informações relevantes sobre produtos e serviços, como um meio de educar clientes e potenciais clientes.

O conteúdo tem demonstrado ser um meio útil, inclusive na área da saúde, porque se torna um mecanismo essencial no combate às fake news, por exemplo. Além disso, essa é uma forte ferramenta de geração de autoridade para marcas e profissionais, bem como de geração de novas oportunidades de negócio.

Tudo isso, lembrando, é realizado no ambiente digital, visando entreter, atrair, educar e fidelizar determinado perfil de público – geralmente aquele com as características comportamentais mais similares às do cliente pretendido.

Mas, você consegue perceber a razão para que essa estratégia esteja se tornando um forte meio de atração de clientes (pacientes)? Falamos hoje em marketing de conteúdo devido ao novo cenário no qual a maioria da população está inserida.

Nos referimos ao acesso crescente à internet e à interação social por telas (smartphones, tablets e outros). Vamos abordar alguns dados que demonstram esse novo contexto e como ele interfere na aquisição de novos pacientes para o seu consultório ou clínica.

Novos paradigmas do comportamento

Já somos 126,3 milhões de pessoas conectadas à internet no Brasil. Isso representa dois terços da população com acesso à rede no país (69,8%), conforme pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada em dezembro de 2018. No período de 2017 e 2018, houve um salto de 10,2 milhões de novos usuários online.

E, surpreendentemente, dentre esses mais de 10 milhões de novos indivíduos conectados, o maior crescimento foi entre o público idoso, que realizou o primeiro acesso à internet. Isso significa que, cada vez mais, pessoas acima dos 60 anos têm se adaptado à dinâmica de interação social mediada por telas.

A mesma pesquisa do IBGE também demonstra que a maior parte dos acessos à internet tem ocorrido por meio de smartphones, representando 97% dos dispositivos utilizados.

Seu paciente está na internet

O crescente acesso à internet, às mídias sociais e às informações compartilhadas por usuários, empresas e por influenciadores têm causado um fenômeno mundial que mudou de forma drástica e definitiva a percepção sobre consumo e contratação de serviços.

Não apenas no âmbito de produtos e serviços – essa alteração de comportamento influencia, inclusive, o modo como as pessoas buscam por cuidados médicos, como veremos a seguir.

A pesquisa The Digital Journey to Wellness, realizada pelo Google em parceria com a Compete Hospital Study, publicada em 2012, ilustra a jornada do cliente (paciente) até o agendamento da consulta. O estudo comprova que o online tem um forte impacto no processo de decisão do paciente.

marketing de conteudo
Font: The Digital Journey to Wellness

Segundo os dados levantados, a maior parte dos usuários realiza pesquisas online para encontrar o hospital “apto” a realizar o tratamento de que necessita.

A maioria das pessoas é influenciada pelos resultados da pesquisa do Google, logo depois pelos sites das unidades de saúde e pela relevância das informações disponíveis nos sites visitados.

As pesquisas offline ainda exercem influência, no entanto, de forma bem menos impactante, como observado no gráfico acima.

Exercem mais poder sobre o paciente as relações pessoais com a família, amigos e colegas. Conversas e recomendações têm um forte impacto no processo de decisão do cliente, em comparação com as mídias tradicionais, como TV, revistas e jornais.

Estatísticas de conversão online x offline

Veja outras estatísticas valiosas sobre a forma como os usuários têm se convertido em pacientes por meio de pesquisas online e offline, conforme o estudo do Google:

Agendamento de consultas

Ainda segundo o estudo The Digital Journey to Wellness, 1 em cada 5 pacientes tem feito o agendamento de consultas por meios não tradicionais. 21% deles realiza o agendamento via computador ou aplicativo de celular.

Levando em consideração que estes dados são de 2012, é previsível compreender que essa porcentagem seja consideravelmente mais elevada nos dias de hoje!.

Pesquisa de comparação

77% dos pacientes usaram a pesquisa do Google antes de marcar uma consulta.

Origem do tráfego dos sites médicos

43% das visitas a sites hospitalares são originadas a partir de um mecanismo de pesquisa.

Pesquisadores versus Não-pesquisadores

Pessoas que não realizaram pesquisas online geraram 6 milhões de visitas únicas aos sites hospitalares e 4,2% das conversões (entende-se por conversão a realização de uma ação no site, como agendar uma consulta). Esses usuários foram responsáveis por 243 mil do total de conversões online.

Já os usuários que realizaram pesquisas online em busca de hospitais e atendimento médico, representaram 22 milhões de acessos aos sites médicos, 4,4% das conversões – um total de 958 mil conversões.

Isso significa que os usuários pesquisadores geraram quase quatro vezes mais acessos aos sites e quase quatro vezes mais conversões online, em comparação com aqueles que não realizaram pesquisas.

Portanto, você já pode concluir que serviços médicos com boa presença digital, e que já possuíam estratégias de marketing de conteúdo em 2012, obtiveram um percentual bem maior de pacientes, em comparação àqueles que não faziam marketing de conteúdo.

Caminho de pesquisa

Cada paciente cria seu próprio caminho de pesquisa online, sendo os principais deles compostos por termos relacionados a sintomas e condições de saúde. Veja abaixo como o caminho de pesquisa tem início no cenário digital – a fase de início de pesquisa pelo consumidor é conhecida como aprendizado ou descoberta.

O percentual representa o volume de termos utilizados.

    • 38% – Sintomas ou especialidades (ex.: dor de garganta, pediatria)
    • 37% – Condições de saúde e doenças (ex.: artrite, câncer)
      • 19% – Marca (ex.: nome do hospital)
    • 6% – Tratamentos ou procedimentos (ex.: quimioterapia, diálise)

Na segunda fase da jornada – conhecida como reconhecimento do problema -, a maior parte das pesquisas ainda é sobre sintomas e condições de saúde.

Apenas na fase de consideração da solução e decisão de agendamento, os usuários mudam os termos de pesquisa para o nome do hospital ou clínica na qual consideram realizar o tratamento. Veja como fica a pesquisa por termos, nesta etapa:

    • 48% – Marca
    • 25% – Sintomas ou especialidades
      • 23% – Condições de saúde e doenças
    • 4% – Tratamentos ou procedimentos

A jornada até o agendamento

Os pacientes que agendaram consultas, aqueles que converteram, realizaram três vezes mais pesquisas do que aqueles que não converteram.

Meios utilizados

Os conteúdos encontrados pelos usuários e que influenciaram a decisão para o agendamento da consulta foram encontrados nos seguintes meios:

    • 83% – Sites de hospitais
    • 54% – Sites de empresas de seguros de saúde
      • 50% – Sites voltados à informação de saúde
    • 26% – Comentários gerados por outros pacientes

Outras estatísticas de marketing de conteúdo médico

Veja o que demonstram outras pesquisas sobre o desempenho das campanhas de marketing de conteúdo voltado para o setor médico:

    • 47% dos internautas buscam informações sobre médicos ou outros profissionais de saúde. Não somente informações sobre saúde estão sendo buscadas, mas, inclusive, sobre profissionais de saúde específicos.
      • O Retorno sobre o Investimento (ROI) de campanhas de e-mail marketing foi de 4.300% em 2016.
    • Consumidores que realizam pesquisas online sobre determinado produto ou serviço chegam a visitar o local físico pesquisado em até um dia. A busca por um profissional de saúde na internet representa uma rápida necessidade de agendamento.

Fim do offline?

Todos os dados citados colaboram para a entendimento de que investir em uma estratégia de marketing de conteúdo é um meio de garantir que os pacientes vejam seus materiais ricos ao longo da jornada de pesquisa.

Isso significa que o marketing offline morreu? Panfletos, outdoors, anúncios em jornais, revistas e na TV irão acabar ou investir nessas mídias é dinheiro jogado no lixo?

Não exatamente! Na atualidade, os consumidores (pacientes são consumidores de atendimento médico) têm perdido a confiança no marketing tradicional. Essa estratégia vê o indivíduo como mero alvo passivo de campanhas publicitárias.

O pai do marketing, e pesquisador do comportamento de consumidores, Philip Kotler, afirma que a confiança do consumidor tem se voltado para o fator social. Vivemos no tempo em que consultar amigos, familiares, seguidores nas redes sociais e influenciadores digitais se tornou algo mais confiável.

Dessa forma, as pessoas são capazes de observar, avaliar e até mesmo destruir campanhas de marketing que, de alguma forma, não contenham informações verdadeiras ou que não conversem de forma humanizada.

Personalização e aproximação do paciente

Humanizar é a palavra do momento! Para que isso aconteça, as empresas precisam se comportar como se fossem pessoas falando para outras pessoas. E, para isso, a honestidade é algo indispensável no novo discurso do marketing. Sendo assim, é fácil entender por que o marketing tradicional não tem a mesma eficiência.

No entanto, isso não significa que você não deva distribuir seus panfletos, ou investir em publicidade em jornais. Significa que, se você fizer apenas isso, o resultado será um desastre!

Com um panfleto em mãos, o indivíduo vai direto ao Google pesquisar sobre o local anunciado para obter mais informações e ler as avaliações de pacientes que tenham sido atendidos naquele consultório.

Além disso, ele buscará informações relevantes no site, observando se existem textos, vídeos ou demais facilidades que poderão ajudá-lo a compreender os atendimentos oferecidos.

O segundo passo é a observação das redes sociais do consultório. O usuário irá verificar se as suas redes sociais contêm informações interessantes que justifiquem que ele acompanhe (curta ou siga) seu perfil para se beneficiar de mais conteúdos relevantes.

Associe diferentes estratégias de marketing para obter um bom resultado

Em resumo, o médico que faz apenas marketing offline precisará de uma estratégica de marketing de conteúdo online para impactar todos os possíveis pacientes ávidos por informações que os ajudem a compreender seus problemas de saúde.

O médico que faz apenas marketing online precisa iniciar uma estratégia offline para captar aqueles que ainda não iniciaram sua jornada de pesquisa online.

O médico que não faz nenhum tipo de marketing provavelmente deve estar à beira da falência! Nesse caso, é preciso rever essa posição rapidamente, antes que seja engolido pela concorrência.

Enfim, vamos entender o que pode ser feito a mais para que você tenha uma estratégia completa de marketing digital, seguindo os caminhos citados nos dados acima!

Marketing de conteúdo médico na prática

O que o estudo do Google demonstra é que a pesquisa online tem sido importantíssima para o processo de decisão dos pacientes. Então, para ser encontrado por essas pessoas (que estão neste momento buscando por profissionais como você!), é indispensável:

    • Construir um site médico com blog vinculado;
    • Produzir conteúdos que respondam às dúvidas dos seus pacientes. Como vimos acima, o caminho de pesquisa do paciente corresponde às diferentes fases de esclarecimento das dúvidas que ele possui: reconhecimento do problema, consideração e decisão de agendamento de consulta. Sendo assim, é preciso ter diferentes conteúdos que se adequem a cada momento da jornada do paciente. Por exemplo, para a primeira fase o ideal é que você tenha conteúdos que expliquem o significado de determinados sintomas da sua especialidade. Na segunda fase, é possível ajudar os usuários com artigos que falam sobre tratamentos ou cirurgias (cuidados no pré e o pós-operatório, por exemplo). Na terceira fase, seria interessante investir em Google Adwords, já que o paciente já decidiu e está em busca de um local para o seu tratamento;
    • Preparar conteúdos baseados em estratégias de SEO (Search Engine Optimization), que é a otimização para os mecanismos de busca, como o Google. Isso contribui para que seus textos, e seu site em si, sejam bem ranqueados nas pesquisas de palavras-chave dos internautas.

Conforme vimos, é preciso disponibilizar opções para que seus pacientes tenham acesso ao agendamento de consultas de forma acessível. O melhor deles é a ferramenta de agendamento online em um site médico.

Não é necessário eliminar o telefone, mas sim, criar outras ferramentas para que seu paciente tenha acesso fácil ao seu atendimento. Por que não incluir o whatsapp também?

Softwares médicos na otimização de estratégias

Um jeito fácil de gerenciar o agendamento de consultas online é por meio de softwares ou prontuários médicos em nuvem.

Outro item importante é entender que seus pacientes idosos também estão acessando a internet! Portanto, se este é o seu maior público, não pense que o boca a boca será o suficiente para crescer a sua base de clientes. É necessário oferecer informações para este público, que também está em busca de atendimento médico utilizando o Dr. Google!

Por fim, e não menos importante, é preciso investir tempo no processo pós-consulta! Como vimos, o e-mail ainda é um excelente mecanismo de manutenção de conversas entre profissionais e clientes. Envie mensagens para cada paciente após a consulta, relembrando e esclarecendo maiores informações sobre tudo o que foi falado no atendimento.

Parece complicado? Com a ajuda de um software médico é possível fazer isso de forma totalmente automatizada! No entanto, seu paciente sentirá que você investiu tempo precioso escrevendo para ele e ficará grato por isso. Esse é o começo da fidelização desse paciente.

Incentive as pessoas atendidas no seu consultório a fazerem a avaliação do atendimento pelo Google e nas redes sociais. Lembra que os pesquisadores estão de olho nas avaliações de usuários na internet?

Você também pode sugerir que seus pacientes respondam pesquisas de satisfação do atendimento para te ajudar a perceber quaisquer problemas ignorados no dia a dia. Para isso, existe uma ferramenta chamada NPS (Net Promoter Score), ou Índice Líquido de Promotores. O NPS é uma consulta simples que seus pacientes podem responder logo após saírem do seu consultório, porém, muito valiosa para a melhoria do atendimento.

Essas são algumas das principais estratégias de marketing de conteúdo médico e que irão ajudá-lo a obter mais pacientes e, inclusive, irão ajudar os usuários pesquisadores em suas buscas por respostas sobre determinadas condições de saúde.

Quer entender melhor sobre como é feito o marketing médico ético? Leia também os artigos abaixo:

Compartilhe este conteúdo:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Compartilhe este conteúdo:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos relacionados

O que achou? Deixe seu comentário!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Já está de saída?

Junte-se a dezenas de milhares de Médicos e receba no seu email os melhores conteúdos sobre gestão, empreendedorismo e marketing em saúde.

Ao inscrever na nossa newsletter, você está autorizando o iMedicina a enviar conteúdos de seu interesse. Jamais fazemos spam! Confira nossa política de privacidade.

Junte-se a Dezenas de Milhares de Médicos

Receba no seu email os melhores conteúdos sobre gestão, empreendedorismo e marketing em saúde.