Projeto Medicina na Comunidade: conheça a importância

Tempo de leitura: 3 minutos

Projeto Medicina na Comunidade: conheça a importância

O Projeto Medicina na Comunidade funciona tanto na modalidade de extensão, como em programas de residência médica após o curso ou até durante ações sociais em datas específicas.

Esses projetos objetivam promover a atenção primária à saúde, trabalhando no diagnóstico precoce, na prevenção de doenças, bem como o acompanhamento dos pacientes, tanto em visitas domiciliares como nos consultórios médicos.

Antes mesmo de concluir a graduação, universidades apoiam projetos de Medicina na comunidade por meio de projetos de extensão, para aproximar os acadêmicos de Medicina e de outras áreas da saúde da comunidade e facilitar o acesso dos pacientes ao atendimento.

O trabalho em Medicina na comunidade

Além de facilitar o acesso das pessoas que fazem parte da região específica em que atuam, o Projeto Medicina considera o contexto social das pessoas, respeitando suas condições e seus valores culturais. O profissional atua na atenção primária à saúde, estabelecendo contato com as pessoas antes mesmo de elas se tornarem pacientes. Esse trabalho visa o diagnóstico precoce, a prevenção de doenças e o tratamento delas.

Mesmo que o médico não seja especializado na área do problema apresentado pelo paciente, o seu papel é orientá-lo sobre as primeiras medidas a serem tomadas, solicitar exames (e auxiliá-lo a conseguir realizar esses procedimentos) e encaminhar o paciente a centros de referência específicos, se for o caso. É responsabilidade do profissional que faz parte do Projeto Medicina na Comunidade a coordenação da atenção médica em todos os níveis da comunidade (que são seus pacientes e futuros pacientes).

A principal importância desse trabalho está na melhoria da qualidade de vida da população atendida pelos projetos de medicina na comunidade. Estudos comprovam que a cada 50 diagnósticos adequados realizados por médicos na comunidade, são resolvidos aproximadamente 85% dos problemas de saúde apresentados na região atendida.

A prevenção e a cura são protagonistas para alcançar esses resultados e a confiança que é gradualmente adquirida ao fazer um bom atendimento aos membros da comunidade, respeitando sempre seus valores socioculturais, fazem com que a comunidade também se engaje para prevenir problemas de saúde, participando de ações sociais e até atuando como fiscais, como em casos de eliminação de focos de proliferação do mosquito da dengue, por exemplo.

Especialização para cuidar da saúde da família e da comunidade

O médico que deseja se especializar em Medicina de Família e Comunidade (MFC), área voltada especificamente para esse tipo de cuidado, pode ingressar em cursos de residência médica específicos, divulgados por editais em sites de universidades que possuem curso de Medicina, hospitais e secretarias de saúde.

O maior programa residência médica em MFC do país, mesmo se comparado a todas as outras residências a nível nacional, é o da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Este programa de residência é credenciado pelo Ministério da Educação e disponibiliza 150 vagas ao ano.

A Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) divulga em seu site alguns programas de residência médica disponíveis nessa área, para facilitar o acesso aos profissionais que desejam ingressar na área.

Quer saber mais sobre Projeto Medicina Na Comunidade? No site do iMedicina, você tem acesso a outros artigos sobre esse conteúdo e outros destinados aos profissionais da saúde.