Residência médica: como funciona essa etapa da formação?

Tempo de leitura: 3 minutos

RESIDÊNCIA MÉDICA: COMO FUNCIONA ESSA ETAPA DA FORMAÇÃO?

Começar a cursar medicina é uma iniciativa de muita dedicação e entrega aos estudos. As aulas são integrais e as matérias requerem envolvimento intenso, já que a avaliação é bastante rígida. São seis anos de ensino, em média, divididos em três períodos sendo os dois primeiros anos de básico, dois anos de clínicos e dois anos de internatos.

Após essa etapa, o aluno pode se formar em medicina, como clínico geral, e obter seu registro de médico com o Conselho Regional de Medicina (CRM). Porém, os que desejam se especializar precisam de uma pós-graduação, conhecida como residência médica. Como o interesse da grande maioria dos médicos é ser especialista em alguma modalidade médica, a concorrência para uma das vagas de residência médica costuma ser acirrada.

Como entrar para uma residência médica

Alguns estudantes consideram que passar para uma boa residência médica é mais difícil que para entrar na faculdade. Como medicina é a carreira mais procurada e com o maior número de candidatos por vaga, é possível mensurar o grau de dificuldade que uma avaliação para residência médica pode ter. São 7 mil vagas para residências em todo o país, onde há média de 10 mil formandos anualmente. Ao todo, cerca de três mil ficam de fora do processo e se limitam a clínica geral.

Mas entrar para uma das vagas não é a primeira dificuldade do recém-formando, mas sim escolher qual é a melhor especialidade para fazer. Quando a dúvida acontece, é preciso analisar as características de cada especialização, assim como sua rotina de trabalho, que podem ajudar na decisão. Mas são as aptidões, o tipo de personalidade do profissional e a adequação à área os fatores de maior peso.

É realizada uma prova teórica, com 100 questões sobre clínica médica, cirurgia pediátrica, ginecologia e obstetrícia e medicina social. Tudo já abordado ao longo do curso. Ser bem-sucedido na prova é 90% do necessário para a obtenção da vaga. Mas ainda resta a análise curricular e uma entrevista pessoal para que o candidato seja definitivamente aprovado.

Como acontece com os exames da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para advogados, já surgiram no país cursos preparatórios para as provas, que revisam as matérias dadas e mais prováveis de cair na avaliação, assim como dicas de como resolver determinadas questões.

Por que fazer uma residência médica

A residência médica é uma pós-graduação para os médicos. Além de todo o conhecimento prático adquirido, a grande vantagem sobre qualquer outra carreira é que no lugar de pagar mensalidades pela extensão de ensino, os residentes recebem uma bolsa-auxílio durante o período da extensão.

O valor da bolsa serve para repor os custos com transporte, alimentação e materiais médicos necessários para o trabalho diário. A maior desvantagem é mesmo a dificuldade de ingresso. Por ser muito concorrido, há médicos que se dedicam um ano após a formatura, estudando para as provas.

O tempo de residência médica varia de acordo com a especialização escolhida, mas podem durar de dois a cinco anos.