Revalida: saiba como funciona e quem precisa fazer

Tempo de leitura: 3 minutos

Revalida: saiba como funciona e quem precisa fazer

Médicos formados no exterior precisam revalidar seus diplomas em território nacional brasileiro

Hoje em dia, é relativamente comum que brasileiros vão até o exterior para estudar medicina. Alguns optam por faculdades na Bolívia, no Paraguai, na Argentina e em outros países, cada um com suas leis, características e diferenças próprias no ensino da medicina e no exercício da atividade profissional.

No entanto, para exercer a medicina no Brasil, é necessário que o profissional formado no exterior revalide seu diploma junto aos órgãos brasileiros de regulamentação. Sem isso, o diploma conquistado a tanto esforço em uma faculdade no exterior não terá validade alguma.

O que é?

Revalida é o nome do exame que reconhece as aptidões e capacidades dos médicos formados no exterior para atuar segundo a legislação e a medicina brasileira. O nome oficial da prova é “Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeiras”.

O processo é aplicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). A aplicação é feita ainda em conjunto com a Secretaria de Ensino Superior (SESu/MEC), como o Ministério da Saúde e da Andifes.

O processo avaliativo consta de duas etapas. A primeira é uma prova teórica, com questões discursivas e objetivas. A segunda parte do Revalida é uma avaliação clínica, que tem por objetivo testar as capacidades e habilidades práticas do candidato na atividade médica. Uma vez aprovado no Revalida, basta que o profissional solicite às universidades públicas brasileiras participantes do processo a revalidação de seu diploma. Para isso, é necessário ainda apresentar a documentação vigente na legislação brasileira.

As exigências para a realização do Revalida são: ser brasileiro ou possuir cidadania brasileira; estar matriculado no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) da Receita Federal e ser formado em Medicina por uma instituição de ensino superior estrangeira que seja reconhecida pelo órgão nacional de fiscalização de seu país de origem. Ao se inscrever, o candidato precisa encaminhar uma foto digitalizada do diploma de medicina, informar se possui Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros e demais dados pessoais. O custo de realização da primeira etapa da prova é de R$ 100. A segunda parte da avaliação custa mais R$ 300 ao candidato à revalidação.

Detalhes do processo

A primeira etapa do Revalida é composta por uma avaliação objetiva, com 100 questões, e uma avaliação discursiva, com cinco questões abertas. A segunda etapa da prova prática é composta por 10 “estações”, ou seja, pequenos testes. Todas as partes do processo têm caráter eliminatório e buscam avaliar a Matriz de Correspondência Curricular, ou seja, a aproximação entre as disciplinas médicas estudadas no exterior e no Brasil. Todo o processo é promovido e desenvolvido por médicos especialistas brasileiros.

O índice de aprovação no Revalida ainda não chega nem na metade do número de inscritos, segundo dados do INEP. Ainda assim, nos últimos dois anos, o número de diplomas revalidados no Brasil têm aumentado. Portanto, se você se formou no exterior, esta é a oportunidade: Revalida!

Acesse o site http://revalida.inep.gov.br/revalida/inscricao/ e saiba mais.

Gostou deste artigo? Entre em nosso blog e confira outros textos sobre o assunto.