A Telemedicina Pode Ameaçar a Medicina Convencional?

telemedicina

Em toda a história da humanidade, sempre houve a sensação de que a tecnologia iria eliminar alguma atividade ou algum setor da sociedade. Uma das principais questões envolvendo a telemedicina é justamente essa: a ameaça a medicina convencional.

Neste artigo, temos a proposta de mostrar que não existem razões para ter esse temor, pois o contato olho no olho continua sendo o principal pilar da relação médico e paciente.

A telemedicina possibilita o trabalho conjunto com a medicina convencional?

Nas últimas décadas, o mundo passou por uma verdadeira revolução tecnológica, sendo a medicina uma das áreas que mais se beneficiou desses avanços. Mesmo assim, a consulta presencial com o médico não deixou de existir.

Ainda, a proposta de desenvolver novas tecnologias para a saúde não tem por objetivo substituir os profissionais ou reduzir sua função, pelo contrário, a ideia é proporcionar novas ferramentas que tornem o exercício da profissão mais assertivo e ágil.

Neste sentido, a telemedicina surge como uma atividade complementar, democratizando o acesso à saúde, reduzindo o custo do atendimento médico e da realização de exames e permitindo que o profissional de saúde tenha mais tempo disponível para seus pacientes.

Além disso, é por meio da telemedicina que habitantes de regiões remotas, de aldeias e povoados conseguem receber a atenção básica de saúde, pois o atendimento médico à distância acaba com as barreiras físicas que existem.

Outra forma de utilização da telemedicina é a educação remota, permitindo que enfermeiros ou médicos generalistas sejam orientados e treinados por especialistas para que assim consigam atender à população local.

Um outro benefício importante do uso da tecnologia da informação é a capacidade de obter laudos dos exames dos pacientes por meio digital, acelerando o processo de confirmação de diagnósticos e início do tratamento.

Ademais, o suporte remoto também pode ser usado para obter uma segunda opinião médica para o tratamento ou o diagnóstico de um paciente. Assim, abre-se um leque de possibilidades, fortalecendo a relação entre medicina convencional e a telemedicina.

Aplicações da telemedicina

Atualmente, diversas especialidades médicas fazem uso dessa tecnologia, principalmente em países que possuem uma regulamentação mais abrangente dessa prática. Por isso, é possível dizer que é apenas uma questão de tempo para a consolidação da telemedicina no Brasil

Na área de patologia clínica, o uso da assistência remota tem evoluído rapidamente. Agora, o exercício da atividade passou a ser mediado por tecnologias para o envio de dados e imagens com o propósito de emitir relatórios como suporte às ações presenciais.

Outras áreas muito beneficiadas pela telemedicina são a dermatologia e a oftalmologia. Isso porque é possível detectar a presença de alterações na pele e nos olhos apenas pela análise de imagens.

Ainda, a cardiologia já se utiliza desta ferramenta para a interpretação e emissão de laudos de diferentes tipos de exames, como o MAPA, holter e o eletrocardiograma. Além disso, há uma troca constante de conhecimento entre esses especialistas.

Ademais, na neurologia, alguns exames importantes como o encefalograma clínico podem ser laudados à distância, assim como a polissonografia. A pneumologia também faz uso da tecnologia para a elaboração de laudos de espirometrias.

Prontuário Eletrônico GratuitoPowered by Rock Convert

Embora essas especialidades já sejam beneficiadas pela telemedicina, a radiologia foi a área que mais impulsionou a aplicação dessa tecnologia. A telerradiologia pode ser vista como a prática que permite a interpretação de imagens médicas à distância.

Ainda, entre os principais exames laudados remotamente estão o raio-X, a mamografia digital, a densitometria óssea, a tomografia computadorizada, a cintilografia e a ressonância nuclear magnética.

A telemedicina vai substituir a consulta presencial?

Não. Esse é um dos pontos que mais traz polêmica ao debate sobre o uso da telemedicina. Diferente do que muitos imaginam, o atendimento remoto não tem a pretensão de substituir o contato presencial entre médico e paciente.

Ainda, a telemedicina surge como uma ferramenta complementar ao sistema de saúde brasileiro. Por ser um país de dimensões continentais, enfrentamos grandes desafios ao tentar levar a atenção básica a toda a população.

Neste sentido, o uso da tecnologia da informação para atendimento médico permite que profissionais de saúde alcancem aos mais distantes povoados, promovendo os cuidados com a saúde, diagnosticando e tratando doenças.

Dessa forma, é necessário lembrar que nada pode substituir o exame físico do paciente, sendo esta a melhor maneira de avaliar o seu estado de saúde.

Legislação brasileira sobre o uso da telemedicina

Em nosso país, a discussão sobre as aplicações da telemedicina caminha devagar. Em 2002, o Conselho Federal de Medicina estabeleceu a sua primeira resolução sobre o assunto, sendo registrada sob o nº 1.643/2002.

Contudo, o documento trata o atendimento remoto de forma ampla e geral, sem especificar detalhes sobre a prática. Em 2018, o mesmo conselho tentou detalhar essa modalidade, mas a norma precisou ser revogada no mesmo mês da sua promulgação.

Ainda, em 2020, em função da pandemia do novo coronavírus e da necessidade de isolamento social, o Ministério da Saúde estabeleceu a portaria nº 467/2020 que autoriza o uso da telemedicina enquanto houver a emergência de saúde pública.

A partir da análise do cenário atual, a principal vantagem trazida pela telemedicina é a possibilidade de agilizar os atendimentos médicos. Seja por meio da emissão dos laudos à distância ou da possibilidade de realizar triagens.

Porém, não menos importante, as segundas opiniões profissionais obtidas de forma remota também agregam muito valor ao exercício da medicina. É possível ampliar os conhecimentos e aumentar a troca de experiências entre médicos especialistas e generalistas.

Ademais, a telemedicina aumenta a acessibilidade às consultas de especialidades médicas e a equidade. Também reduz os custos no consultório e para os pacientes e diminui as distâncias entre cuidados de saúde primários e especializados.

As plataformas de telemedicina desenvolvidas por empresas especialistas em softwares médicos garantem toda a segurança necessária para o uso da tecnologia. Além disso, possibilitam a integração de ferramentas como o prontuário eletrônico e agendamento online para otimizar o atendimento do profissional. 

Depois de esclarecer, portanto, que a telemedicina não deve ser vista como uma ameaça à medicina convencional, mas sim como uma importante aliada, você também pode se interessar por outros artigos sobre o assunto! Continue navegando pelo nosso blog e saiba mais.

metodologia imedicinaPowered by Rock Convert

Deixe seu
comentário

Compartilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Assuntos
Mais Procurados

Clínicas Digitais | Conheça o Livro
iMedicina Software Gratuito - Conheça!

Ainda não encontrou
o que buscava?

Método iMedicina

O iMedicina é uma das 10 Maiores Empresas de Tecnologia da Área de Saúde do Brasil, segundo a Distrito.me

Auxiliamos Profissionais de saúde nos 3 Pilares Fundamentais que precisam para prosperar na carreira:

  • 1) Atração de pacientes
  • 2) Atendimento com Eficiência e Tecnologia
  • 3) Relacionamento e fidelização

Já está de saída?

Junte-se a dezenas de milhares de Médicos e receba no seu email os melhores conteúdos sobre gestão, empreendedorismo e marketing em saúde.

Ao inscrever na nossa newsletter, você está autorizando o iMedicina a enviar conteúdos de seu interesse. Jamais fazemos spam! Confira nossa política de privacidade.