Sou médico: devo trabalhar em um centro médico ou abrir uma clínica?

Tempo de leitura: 5 minutos

Sou médico: devo trabalhar em um centro médico ou abrir uma clínica?

Dilemas profissionais deixam médicos indecisos em fase importante da carreira

Ao deixar a residência e entrar de vez no mercado de trabalho, uma pergunta costuma incomodar os médicos que estão decidindo o futuro profissional: devo trabalhar em um centro médico ou abrir minha própria clínica? Embora a profissão da medicina seja sempre retratada com muito glamour, um jovem médico inexperiente também tem dificuldades para encaminhar a sua carreira, como qualquer outro profissional. Nesse momento, é hora de parar e pensar sobre todas as variáveis possíveis e ver o que é melhor para a sua carreira a curto e também longo prazo.

Centro médico

Trabalhar em uma clínica pode parecer a princípio o caminho mais fácil para quem está começando a vida profissional. Por ser mais fácil, provavelmente será menos lucrativo. É mais fácil porque você utilizará toda a estrutura do centro e já contará com o prestígio que este estabelecimento tem em relação aos pacientes, portanto, é relativamente mais fácil que você faça mais consultas estando em um centro médico do que em uma clínica própria, embora isso não seja uma regra.

O ponto negativo é que utilizar o espaço do centro tem seus custos, e os recursos que você desembolsará com isso diminuirá consideravelmente seu lucro líquido. Na verdade, é a clássica relação econômica, que também pode ser aplicada ao mercado de saúde: quanto menor o risco do investimento, menor o rendimento.

Abrir uma clínica

Abrir a própria clínica é uma atitude que exige coragem, investimento, mas acima de tudo, pesquisa. Faça uma profunda e minuciosa análise comercial enquanto decide se deve abrir uma clínica. Nesta análise, leve em conta alguns fatores, como, por exemplo, a concorrência, a proximidade com hospitais ou outros estabelecimentos de saúde, a possibilidade de se conveniar a planos de saúde, o que também aumenta o número de atendimentos, a taxa de crescimento da cidade, leve em conta também se a sua especialidade se encaixa com as demandas de um número alto de possíveis pacientes. Seria uma pena, afinal, depois de tanto investimento e paixão dedicados à clínica, que ela ficasse vazia e com poucos atendimentos, certo?

Pense também sobre todos os custos que a abertura de uma clínica certamente terá em um primeiro momento, e também posteriormente. Afinal, para abrir a clínica, você precisará de um imóvel, próprio ou alugado. Precisará de pesados investimentos em equipamentos, que variam de acordo com sua especialidade. Terá de investir em pessoal (mesmo que apenas uma secretária ou enfermeira, mas o que também já aumenta os custos). Sem falar de outros investimentos como a marca da empresa, a identidade visual, a decoração e outros.

No entanto, se depois de analisar todos os fatores acima, o profissional ainda decidir abrir uma clínica, que bom! Se bem-sucedida, seu investimento certamente renderá muito mais do que trabalhar em um centro médico. Considere também a possibilidade de fazer sociedade com outro médico na hora de abrir sua clínica. Seria bom ter alguém para dividir os custos operacionais de seu estabelecimento, com a possibilidade de alavancar lucros. Mas defina bem os termos da parceria comercial para não se meter em armadilhas depois. Conheça seu sócio e garanta um negócio seguro.

Vale ressaltar que clínica e consultório não são a mesma coisa. Um consultório, mesmo que utilizado por mais de um médico, é operado por pessoas físicas diferentes que apenas dividem os custos do local, não possuem vínculo social e respondem de forma independente. O (a) secretário é registrado no nome de um dos profissionais e é um negócio menor. Em uma clínica, existe a pessoa jurídica pela qual responde a empresa, os médicos são sócios na propriedade e na responsabilidade. Os empregados são registrados no CNPJ da empresa, que precisa de uma marca registrada no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Intelectual).

Atente também para as diferentes modalidades de impostos que incidirão sobre os serviços que você presta. Para lidar com toda essa papelada e estes valores, recomenda-se a contratação de um contador devidamente habilitado.

Faça o negócio render

Independentemente se trabalhará em um centro médico ou se desenvolverá seu próprio estabelecimento de saúde, faça com que seu trabalho e sua agenda tenham o melhor rendimento para poder faturar mais. Para isso, escolha um software médico de alto desempenho e praticidade como o iMedicina. Com ele, é possível alterar os agendamentos com poucos cliques, além de verificar a escala de todos os profissionais da clínica.

O programa também conta com um módulo financeiro e de estatísticas, para que você possa cuidar melhor da sua carreira e ver nos gráficos as demandas e potencialidades de seu consultório ou clínica. Para garantir que seus pacientes não esquecerão de suas consultas, o iMedicina tem ainda a possibilidade de mandar um lembrete via SMS automaticamente. É mais tempo se preocupando com o paciente, e menos tempo se preocupando com organização, pois o programa faz isto por você.

Leia outros artigos sobre o assunto em nosso blog!