Saiba as consequências caso o estabelecimento médico não tenha registro no CNES

cnes

As instituições de saúde estão espalhadas por todo o Brasil e prestam diariamente diversos serviços que atendem às questões e necessidades gerais e específicas da população, sejam por meio de hospitais públicos, particulares, conveniados ou estabelecimentos voltados para o atendimento médico.

Contudo, independentemente dos tipos de assistências oferecidas, todo e qualquer estabelecimento médico precisa estar de acordo com as exigências impostas pela Lei brasileira e, entre essas obrigatoriedades, está o registro no Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Desde o mês de outubro do ano 2000, o Ministério da Saúde instituiu, pela Portaria SAS Nº 376, o CNES, com o objetivo de garantir à população o conhecimento dos estabelecimentos que cuidam da saúde em âmbito federal, estadual e municipal.

No cadastro, estão presentes todas as informações referentes ao estabelecimento, incluindo, portanto, as condições de infraestrutura, quantos e quem são os funcionários da instituição e as especificações de cada serviço prestado, equipamentos disponíveis, entre outros.

A importância de realizar o CNES

Não há contestação de que estar de acordo com a Lei é fundamental para qualquer cidadão, profissional e responsável de estabelecimento. É, acima de tudo, obrigação e item básico para que se tenha credibilidade perante a sociedade. Esta, portanto, é a primeira e principal importância de fazer o cadastro.

Caso o CNES não seja feito ou atualizado, o estabelecimento é considerado irregular e até mesmo clandestino, recebendo multas e podendo ser fechado.

Sendo considerado fora da normatização, a instituição recebe também processos do Ministério Público, da Auditoria, de órgãos fiscalizadores e até da população em geral, pois a possibilidade da consulta aberta aos cadastros permite e impulsiona que as irregularidades constatadas ou ausência do cadastro sejam denunciadas ao Conselho Municipal de Saúde por qualquer pessoa.

De forma interna, o cadastro é uma forma de os gestores conhecerem seus estabelecimentos, tendo ciência de como é composto o quadro de funcionários, as especialidades disponíveis (ou não) para atendimento, a qualidade da estrutura física e, deste modo, adquire embasamento para melhorar o gerenciamento, buscando beneficiar a própria entidade.

Em contrapartida, a ausência de levantamento e compreensão dos dados leva a um cenário nebuloso para as solicitações necessárias, prejudicando o planejamento, colocando em risco o recebimento de subsídios e recursos, como o Programa Saúde da Família (PSF), por exemplo, além da dificuldade de implantação de complexos regulatórios, entre outros.

A atualização do CNES é fundamental

Em âmbito externo, o cadastro também tem importância e atinge outras esferas responsáveis pelo retorno ao estabelecimento. Esse retorno diz respeito basicamente a duas questões: ao impacto no serviço de saúde geral oferecido no país e, por consequência, ao atendimento adequado aos pacientes.

Os dados fornecidos servem como alicerce para o planejamento que envolve todo o processo de disponibilização do serviço de saúde no país. É por meio dele que os gestores têm base para contratar, regular e conhecer deficiências e necessidades individuais dos estabelecimentos e na totalidade do sistema brasileiro de saúde.

O não cadastramento ou desatualização do CNES implica em repasses incorretos de recursos e programas para as instituições; falta de equipamentos, leitos e estrutura para atendimento; ausência de profissionais e especialidades necessárias e pagamentos errados aos servidores descumpridores de questões contratuais ou já desligados dos estabelecimentos.

Logo, os gastos e os organogramas das entidades são comprometidos e prejudicados, tornando o atendimento ao público ineficiente e gerando problemas para sanar as suas necessidades.

Contudo, embora o CNES passe por constantes modificações desde a sua instauração, a relevância da função estabelecida para ele é notável. O acervo gerado pelo CNES contribui para que o Ministério da Saúde elabore trabalhos operacionais e gerenciais com o objetivo de direcionar da melhor forma o serviço de assistência ambulatorial e hospitalar.

Mesmo que ainda necessite de ajustes e fiscalização para que não haja fraudes que ocasionem na pouca efetivação do principal objetivo da criação do cadastro (ter acesso a informações que contribuam para o planejamento e investimento da saúde no Brasil), os estabelecimentos médicos devem prezar pela contribuição individual com a normatização e evitar que a má distribuição de recursos e serviços siga acontecendo.

Além disso, as consequências para a população são a existência de estabelecimentos que podem oferecer riscos ao serem irregulares, e para as instituições nestas condições, há a possibilidade de serem fechadas, transformando a situação em um ciclo que acaba por prejudicar todos os atores sociais envolvidos na saúde brasileira.

É dever e responsabilidade de todos os estabelecimentos – e Secretarias que intermedeiam o andamento do processo – estarem de acordo com a Lei e direito de todos terem a disponibilidade de consulta aos dados corretos de prestadores de serviços (instituições e profissionais).

Não tenho estabelecimento, mas sou profissional da saúde, preciso me preocupar com o CNES?

Sendo responsável por algum estabelecimento de saúde, mesmo sem ser o dono, o profissional tem que se preocupar sim em realizar o cadastro e mantê-lo constantemente atualizado (e se for o fundador e administrador direto, é função igualmente obrigatória).

Porém, mesmo que o médico, odontólogo ou qualquer outro profissional da área da saúde não tenha relação direta com a responsabilidade de administrar a efetivação da questão normativa, é preciso ficar atento aos cumprimentos das obrigatoriedades, como o CNES, que impacta diretamente os prestadores de serviços da área.

A Agência Nacional de Saúde (ANS) implementou, a partir de 2014, como requisito indispensável para a qualificação de instrumentos jurídicos entre operadores de planos de saúde, profissionais e estabelecimentos, a obrigatoriedade do registro junto ao CNES.

Prontuário Eletrônico GratuitoPowered by Rock Convert

Ou seja, o não cadastramento implica ao estabelecimento e ao profissional que nele atua o impedimento de atendimento a pacientes de planos de saúde, pois as operadoras fazem a contratação e os pagamentos somente para os profissionais que atuam em estabelecimentos devidamente regularizados.

Se o intuito do profissional é atender também aos clientes de planos de saúde, é necessário que ele fique atento ao cumprimento do CNES na instituição em que começará ou já está trabalhando.

Para os profissionais, também é interessante ter o registro adequado e atualizado para que se identifique a necessidade de mais contratações ou ajuste de carga horária, pois o controle que o cadastramento permite, em tese, serve como base para o estudo do Ministério da Saúde e monitoramento do cumprimento das especificações informadas pelas instituições.

Com isso, o fornecimento das informações adequadas impede que o profissional seja suspenso por acumular vínculos inexistentes e descumprir as cargas horárias informadas (lembrando que são permitidas apenas duas vinculações empregatícias em órgãos públicos para servidores da saúde).

Assim, mesmo que a responsabilidade seja dos estabelecimentos e repassadas aos gestores municipais e estaduais, é aconselhável que o profissional solicite as alterações necessárias e as acompanhe no site ou aplicativo disponível.

Como realizar o CNES

Os estabelecimentos de saúde precisam fornecer informações sobre tudo, tais como:

• Endereço e razão social;
• Qual o tipo de atendimento prestado (urgência, internação, ambulatorial, Serviço de Apoio Diagnóstico e Terapêutico – SADT, vigilância em saúde, etc.);
• Nível de atenção (hospitalar, ambulatorial);
• Número do alvará de funcionamento e a avaliação segundo o Programa Nacional de Serviços de Saúde (PNASS);
• Dados das instalações físicas (quantos e quais equipamentos, igualmente para leitos e as condições que se encontram);
• Número de salas;
• Vínculo com o SUS;
• Quais são os serviços oferecidos;
• Quantos e quem são os profissionais (nome, sexo, CPF, conselho de classe e número, informar se possui vínculo empregatício, etc.).

O encarregado responsável deve entrar em contato com o gestor local da Secretaria Municipal ou Estadual de Saúde e compete a ele o cadastramento e manutenção dos dados junto ao CNES, que serão consolidadas pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) no Banco de Dados Nacional.

A documentação completa necessária será solicitada com as fichas para preenchimento encontradas no site do CNES.

São, ao todo, 15 fichas que compõem o formulário completo, além de uma ficha para cada profissional que trabalha na instituição (correspondente à de número 14 – recursos humanos. Ou seja, para cada profissional, uma ficha 14 deve ser preenchida).

É necessário que se preencha duas vias do formulário, uma para ser entregue para a Secretaria e outra para a Vigilância Sanitária (o cadastro é requisito para conseguir a liberação no órgão), que, estando de acordo, é devolvida para ser arquivada no estabelecimento.

Deve-se verificar a possibilidade de preenchimento dos dados solicitados por meio do aplicativo disponibilizado, voltado principalmente para o cadastramento de estabelecimentos de saúde de grande porte e complexidade, pois exigem mais informações, diferentemente dos consultórios isolados.

Inclusive, o cadastro é para todos os estabelecimentos que ofereçam atendimento direcionado à saúde, mas o DATASUS lista quais são os tipos existentes na rede pública, a fim de esclarecer eventuais dúvidas a respeito e servir como base para as instituições privadas, alterando apenas o modo com que os serviços são ofertados.

São, portanto, os principais: posto de saúde, centro de saúde e unidade básica de saúde, policlínica, hospital especializado, hospital geral, unidade mista, pronto socorro especializado, pronto socorro geral, clínica especializada, consultório isolado, ambulatório especializado, unidade de serviço de apoio de diagnose e terapia, unidade de vigilância em saúde e cooperativa.

Apesar de a preocupação com o CNES ser extremamente relevante e necessária, gerir um consultório vai muito além de documentações, números e burocracias: estar a frente de um empreendimento deste porte envolve muitas outras questões que não podem ser negligenciadas, como a gestão administrativa, estratégica e financeira do consultório.

Você precisa entender que está gerenciando um empreendimento que precisa de atenção estratégica e, portanto, o marketing deve fazer parte da sua visão de negócio. Além disso, o controle financeiro do consultório deve ser apurado para que você entenda claramente o retorno que está tendo sobre os investimentos que tem feito.

Lidar com tudo isso sozinho não é tarefa fácil, afinal, você ainda tem dezenas de atendimento por dia para realizar. É aí que entra a tecnologia: você pode usá-la para automatizar a maior parte das ações necessárias para uma boa gestão do consultório, controle financeiro,  marketing digital e relacionamento com o paciente.

Você sabia que existem softwares médicos extremamente eficazes que auxiliam na gestão do consultório e no relacionamento com os pacientes? E que, inclusive, podem ajudá-lo na parte estratégica e no marketing do consultório? Já pensou se, no seu software médico, além de gerenciar seus pacientes, você pudesse também criar e conduzir o seu próprio site e blog?

No iMedicina nós oferecemos essa possibilidade! Conheça nossa proposta visitando a nossa página e entenda melhor como informatizar o seu consultório e atrair novos pacientes!

Gostou deste artigo? Acesse nosso blog e confira outros textos!

metodologia imedicinaPowered by Rock Convert

Deixe seu
comentário

Compartilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Assuntos
Mais Procurados

Clínicas Digitais | Conheça o Livro
iMedicina Software Gratuito - Conheça!

Ainda não encontrou
o que buscava?

Método iMedicina

O iMedicina é uma das 10 Maiores Empresas de Tecnologia da Área de Saúde do Brasil, segundo a Distrito.me

Auxiliamos Profissionais de saúde nos 3 Pilares Fundamentais que precisam para prosperar na carreira:

  • 1) Atração de pacientes
  • 2) Atendimento com Eficiência e Tecnologia
  • 3) Relacionamento e fidelização

Já está de saída?

Junte-se a dezenas de milhares de Médicos e receba no seu email os melhores conteúdos sobre gestão, empreendedorismo e marketing em saúde.

Ao inscrever na nossa newsletter, você está autorizando o iMedicina a enviar conteúdos de seu interesse. Jamais fazemos spam! Confira nossa política de privacidade.

Junte-se a Dezenas de Milhares de Médicos

Receba no seu email os melhores conteúdos sobre gestão, empreendedorismo e marketing em saúde.