Quem pode solicitar cópia de prontuário do paciente

prontuário

As informações contidas em um prontuário médico são sigilosas e não podem ser liberadas para qualquer pessoa. Isso porque esse documento contém informações importantes e muito pessoais a respeito dos pacientes.

Portanto, se elas caírem em mãos erradas, muitos transtornos podem ocorrer, principalmente para quem liberou o acesso a esses dados.

Nesse sentido, é importante fazer uso do prontuário eletrônico, a fim de oferecer mais segurança às informações e garantir que o acesso seja realizado somente por pessoas autorizadas.

Neste artigo vamos explicar com mais detalhes quem pode solicitar a cópia do prontuário do paciente e de que forma essas solicitações precisam ser feitas. Acompanhe!

O que diz a legislação acerca da guarda, acessibilidade e sigilo do prontuário?

A resolução 1.605/2000 do CFM dispõe as seguintes exigências a respeito da acessibilidade e sigilo do prontuário: 

Art. 1º: O médico não pode, sem o consentimento do paciente, revelar o conteúdo do prontuário ou ficha médica.

Art. 2º: Nos casos do art. 269 do Código Penal, onde a comunicação de doença é compulsória, o dever do médico restringe-se exclusivamente a comunicar tal fato à autoridade competente, sendo proibida a remessa do prontuário médico do paciente.

Art. 3º: Na investigação da hipótese de cometimento de crime o médico está impedido de revelar segredo que possa expor o paciente a processo criminal.

Art. 4º: Se na instrução de processo criminal for requisitada, por autoridade judiciária competente, a apresentação do conteúdo do prontuário ou da ficha médica, o médico disponibilizará os documentos ao perito nomeado pelo juiz, para que neles seja

realizada perícia restrita aos fatos em questionamento.

Art. 5º: Se houver autorização expressa do paciente, tanto na solicitação como em documento diverso, o médico poderá encaminhar a ficha ou prontuário médico diretamente à autoridade requisitante.

Art. 6º: O médico deverá fornecer cópia da ficha ou do prontuário médico desde que solicitado pelo paciente ou requisitado pelos Conselhos Federal ou Regional de Medicina.

Art. 7º: Para sua defesa judicial, o médico poderá apresentar a ficha ou prontuário médico à autoridade competente, solicitando que a matéria seja mantida em segredo de justiça.

Art. 8º: Nos casos não previstos nesta resolução e sempre que houver conflito no tocante à remessa ou não dos documentos à autoridade requisitante, o médico deverá consultar o Conselho de Medicina, onde mantém sua inscrição, quanto ao procedimento a ser adotado.”

Sobre a guarda do prontuário, a Lei 13.787/2018 exige que esses documentos devem ser guardados por, no mínimo, 20 anos. Excedido esse período, eles podem ser eliminados ou devolvidos ao paciente.

Quem pode ter acesso e de que forma são realizadas as solicitações?

Conforme consta na Resolução 1.605/2000 do CFM somente o paciente pode ter acesso à cópia do prontuário, salvo algumas exceções. Ao fazer esse tipo de solicitação, será necessário preencher um requerimento e apresentá-lo junto com alguns documentos, como:

Prontuário Eletrônico GratuitoPowered by Rock Convert
  • cópia do RG do paciente;
  • cópia da certidão de casamento ou, então, o RG que conste essa informação;
  • quando menor de idade, será exigida a cópia da certidão de nascimento.

E quando o paciente falece, algum familiar pode solicitar a cópia do prontuário? Sim, para isso é preciso apresentar as seguintes documentações:

  • pais, filhos e demais familiares: cópia do RG do paciente e requerente e da certidão de óbito; 
  • cônjuge: cópia do RG do paciente, da certidão de casamento e da certidão de óbito;
  • procuradores: cópia do RG do paciente e requerente e procuração.

Geralmente a própria clínica ou consultório disponibiliza o requerimento para a solicitação da cópia do prontuário. Basta o interessado se dirigir até o local no horário de expediente e tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto.

Os prazos de entrega variam de acordo com cada unidade de saúde. As cópias do referido documento ficam disponíveis pelo prazo de um ano.

Caso o interessado não retorne para pegá-lo dentro desse prazo, os documentos são inutilizados. Logo, caso haja interesse novamente em relação à cópia do prontuário, é necessário fazer uma nova solicitação.

Como um prontuário eletrônico facilita o acesso quando há solicitação das cópias?

Segundo o Conselho Federal de Medicina, sempre que o paciente ou seu representante legal necessitarem da cópia do prontuário, este deve sempre estar disponível para facilitar o acesso às informações.

No caso dos prontuários físicos, fica difícil de disponibilizá-los constantemente, uma vez que o profissional precisa se dirigir até o consultório para conseguir o documento.

Além disso, é importante destacar que essa maneira de reunir as informações do prontuário está exposta a muitos riscos, como uma eventual quebra de sigilo e até mesmo extravio do documento.

Com o prontuário eletrônico todo esse processo é facilitado, uma vez que os profissionais podem acessá-los de onde estiverem. Assim, caso o paciente solicite uma cópia de seu prontuário, é possível resolver esse problema de maneira rápida e eficiente.

Além disso, as informações do prontuário eletrônico podem ser compartilhadas apenas mediante autorização escrita do paciente. Uma das funcionalidades dessa ferramenta é a exportação de arquivos, os quais podem facilmente ser encaminhados ao paciente sem a necessidade de impressão.

O prontuário eletrônico também proporciona outros benefícios, como:

  • facilidade para acessar aos dados do paciente;
  • segurança nas informações;
  • cadastro de arquivos, como resultados de exames ou fotos;
  • praticidade no atendimento;
  • salvamento automático dos dados.

Ao chegar até aqui, você já sabe a quem pertence o prontuário, certo? Isso significa que esse documento, por mais que fique em posse do hospital ou clínica, não pertence ao profissional da saúde.

Sendo assim, para que seja possível a liberação do acesso a esses dados, há a necessidade de ter a autorização expressa do paciente.

Em casos de solicitação por parte de autoridades judiciais, o documento só pode ser liberado para o perito que foi nomeado pelo Juiz.

Feito isso, o próprio médico perito colherá as informações necessárias para elaborar o seu laudo, o qual será apresentado em juízo, sempre respeitando o sigilo médico e a privacidade do paciente.

Agora você já sabe que o prontuário do paciente não pode ser entregue em quaisquer mãos. Se ficar com alguma dúvida, entre em contato com o Conselho Federal de Medicina para ter a certeza de que não tomará nenhuma decisão equivocada.

Quer saber mais sobre esse e outros assuntos importantes para seu consultório? Continue navegando pelo blog!

metodologia imedicinaPowered by Rock Convert

Deixe seu
comentário

Compartilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Assuntos
Mais Procurados

Clínicas Digitais | Conheça o Livro
iMedicina Software Gratuito - Conheça!

Ainda não encontrou
o que buscava?

Método iMedicina

O iMedicina é uma das 10 Maiores Empresas de Tecnologia da Área de Saúde do Brasil, segundo a Distrito.me

Auxiliamos Profissionais de saúde nos 3 Pilares Fundamentais que precisam para prosperar na carreira: