5 motivos para os médicos não terem receio da Telemedicina

telemedicina

Recentemente a Telemedicina se tornou um assunto muito discutido devido à Portaria 467/20, que regulamenta a prática médica através o uso de modalidades como a Teleorientação e a Teleconsulta. 

Tal medida foi adotada devido à propagação do novo coronavírus, a COVID-19, que passou a exigir iniciativas de isolamento social e fez aumentar a demanda por atendimento médico em áreas mais isoladas do Brasil. 

Entretanto, muitos profissionais ainda não estão habituados com essa prática e estão receosos quanto às implicações da Telemedicina para o futuro de sua profissão.  

Se você não se sente seguro quanto ao uso dessa ferramenta, o artigo abaixo é para você! Leia e saiba mais sobre o porquê da Telemedicina ser uma excelente opção para o seu consultório. 

  1. A tecnologia nunca substituirá o médico

Uma dúvida constante é se a telemedicina ameaça a medicina convencional. Por mais que a tecnologia mude as formas de se relacionar, sempre haverá necessidade da interação entre pessoas no setor da saúde. A empatia e a confiança só pode ser constituída entre seres humanos.

Além disso, nenhum robô ou algoritmo é capaz de interpretar e inferir sobre desafios complexos do corpo humano em integração com o ambiente que o cerca. Essa é uma tarefa humana e só pode ser feita com a sensibilidade que nos é inerente. 

Portanto, a tecnologia não deve ser vista como oponente e, sim, como uma forte aliada na promoção da saúde. Ela traz mais precisão e velocidade e, por isso, deve caminhar lado a lado com os médicos.

  1. Algoritmos não são capazes de dar diagnóstico

Mesmo que a doença seja a mesma, cada paciente é tratado de forma individual, devido aos inúmeros fatores que distinguem um caso de outro. Desse modo, a tecnologia nunca tomará espaço do profissional da saúde. 

Pelo fato da Medicina não ser uma ciência exata, não é possível programar formas de curar enfermidades e levar melhor qualidade de vida para as pessoas. 

A criatividade e a capacidade humana de solucionar problemas de saúde complexos fazem do médico uma figura fundamental nos diagnósticos e tratamentos. 

Pelo fato de não substituir os seres humanos na promoção da saúde, a tecnologia não deve ser vista como vilã. Ela é uma excelente ferramenta para encurtar distâncias, dar resultados mais precisos e agilizar o exercício da medicina.

  1. O atendimento via Telemedicina é seguro

Os serviços prestados através da Telemedicina devem, sobretudo, ter a infraestrutura tecnológica apropriada e obedecer às normas técnicas do Conselho Federal de Medicina (CFM)  pertinentes à guarda, manuseio, transmissão de dados, confidencialidade, privacidade e garantia do sigilo profissional.

Para tanto, é necessário que o médico tome as medidas necessárias para garantir a segurança de seu atendimento virtual. Algumas precauções que devem ser tomadas são:

  • escolher um local organizado e que garanta a privacidade do médico e do paciente durante as consultas;
  • optar por realizar atendimentos através de plataformas que asseguram a segurança dos dados;
  • obter um termo de consentimento do paciente para a realização da consulta.

Seguindo esses passos, o médico não terá problemas quanto à segurança de seus atendimentos e poderá realizar a consulta tranquilamente, focando-se apenas em resolver a dor do paciente.  

  1. Os princípios éticos não são abandonados

Com o atendimento remoto, o que muda é apenas o veículo pelo qual a consulta está sendo realizada. Todos os princípios éticos do profissional da saúde devem ser aplicados nos atendimentos virtuais, bem como nos presenciais.

Isso significa que, mesmo durante as consultas online, o médico deve prezar por realizar atendimentos com excelência, assumindo uma postura ética e seguindo as normas e regimentos pré-estabelecidos pelo CFM. 

  1. A Telemedicina não é uma ferramenta nova

Apesar ter a sua regulação datada do início do século XXI no Brasil, a prática da Telemedicina não é recente. Um dos primeiros registros da Telemedicina data da década de 50, nos EUA, com a chamada “telegnoses”. 

Esse modelo consistia em enviar fac-símiles de roentgenografia através de fios de rádio e telefone. Através deste método eram transmitidas radiografias do Chester County Hospital, localizado na zona rural, para Penna, na Philadelphia. 

Já nos anos 60, a NASA utilizou o sistema de Telemedicina para garantir a assistência à saúde de astronautas em órbita,  empregando, dentre outros meios, o envio de seus sinais fisiológicos – eletrocardiogramas, pressão  arterial,  temperatura,  ritmo  respiratório  –  para  os  centros  espaciais  da  Terra, onde eram avaliados por médicos. 

A telemedicina no Brasil já é praticada há algum tempo com a emissão de laudos online. A primeira regulamentação datada é de 2002, através da resolução nº 1.643/2002, estabelecida pelo CFM (Conselho Federal de Medicina). Tal documento regularizou a emissão de laudos à distância, a fim de prestar suporte diagnóstico e terapêutico.

Desde então, houve muita evolução e desenvolvimento na prática da saúde à distância, até chegar aos modelos e aos meios que temos hoje. 

Por isso, fique tranquilo. A tendência é que sua regulamentação ainda passe por algumas mudanças, tornando a medicina ainda mais eficiente e ágil.

É importante informar-se

Um trabalho bem executado é resultado de um profissional seguro e satisfeito com os seus métodos. Por isso, antes de começar a adotar uma nova forma de realizar consultas, o médico deve certificar-se se esta é a melhor solução para ele e para os seus pacientes.  

Portanto, se você ainda estiver inseguro quanto ao uso da Telemedicina, é indispensável estudar profundamente esse formato de atendimento e entender todas as suas implicações e consequências para a sua carreira, consultório e pacientes. 

As melhores formas de procurar informações sobre tal prática médica são em sites de notícias, blogs e através do Portal do CFM. 

Agora que você conheceu mais sobre a Telemedicina e descobriu as formas que ela pode te auxiliar a oferecer uma consulta excepcional para os seus pacientes, é hora de colocá-la em prática e começar a expandir o seu atendimento para fora das fronteiras físicas do consultório. 

Não deixe, também, de compartilhar essa metodologia com os seus colegas de profissão. Quanto mais pessoas conhecerem e aplicarem a Telemedicina, mais rapidamente acontecerão os avanços legais e tecnológicos nessa área.

O sistema do iMedicina possui a funcionalidade de Telemedicina gratuita. Inscreva-se agora e comece a usá-lo.

Deixe seu
comentário

Compartilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Assuntos
Mais Procurados

Clínicas Digitais | Conheça o Livro
iMedicina Software Gratuito - Conheça!

Ainda não encontrou
o que buscava?

Método iMedicina

O iMedicina é uma das 10 Maiores Empresas de Tecnologia da Área de Saúde do Brasil, segundo a Distrito.me

Auxiliamos Profissionais de saúde nos 3 Pilares Fundamentais que precisam para prosperar na carreira:

  • 1) Atração de pacientes
  • 2) Atendimento com Eficiência e Tecnologia
  • 3) Relacionamento e fidelização

Já está de saída?

Junte-se a dezenas de milhares de Médicos e receba no seu email os melhores conteúdos sobre gestão, empreendedorismo e marketing em saúde.

Ao inscrever na nossa newsletter, você está autorizando o iMedicina a enviar conteúdos de seu interesse. Jamais fazemos spam! Confira nossa política de privacidade.