5 passos para evitar o abandono do paciente ao tratamento

paciente

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), um em cada dois pacientes abandona o tratamento nos primeiros seis meses. No Brasil, essa falta de comprometimento do paciente é um dos principais desafios para combater a tuberculose, por exemplo.

Para reduzir essa estatística e promover a saúde dos pacientes, preparamos este artigo com algumas dicas de como evitar a recorrência desse abandono. Ficou interessado? Então, continue a leitura.

Quais são os principais desafios para a adesão do paciente ao tratamento?

A adesão ao tratamento é fundamental para o sucesso da terapia prescrita pelo profissional de saúde e pela sua equipe. Porém, por uma série de fatores, grande parte dos pacientes tende a não manter a orientação médica pelo tempo determinado.

Ademais, quando falamos de adesão ao tratamento estamos falando do grau de concordância entre as orientações do profissional de saúde e o comprometimento do paciente em utilizar a medicação, seguir a dieta ou mudar o seu estilo de vida.

De acordo com a OMS, a adesão é um fenômeno determinado pela interação de cinco dimensões: sistema e equipe de saúde, fatores socioeconômicos, fatores relacionados ao paciente, à doença e ao tratamento.

Embora haja uma ideia de que a responsabilidade pelo abandono do tratamento seja exclusivamente do paciente, ela não é verídica e reflete o desconhecimento sobre os fatores que afetam o comportamento e a capacidade do indivíduo em aderir ao tratamento. A seguir, listamos alguns dos principais desafios que explicam esse abandono.

Toda medicamento ou tratamento pode provocar efeitos colaterais nos pacientes. No entanto, a incidência desses efeitos costuma ser abaixo de 1% dos pacientes. Quando ocorrem, podem levá-los a desistir do tratamento.

Porém, nem sempre há uma relação do sintoma com o uso de uma medicação. Mesmo assim, dificilmente o paciente busca uma avaliação médica e acaba tirando suas próprias conclusões. Uma boa medida a ser tomada é sempre relatar para o indivíduo quais os possíveis efeitos colaterais do tratamento.

Melhora no estado de saúde

Trata-se de uma das principais causas da baixa adesão dos pacientes. Geralmente, depois dos primeiros quinze dias do tratamento, eles apresentam uma leve melhora do quadro e, assim, entendem que não é mais necessário manter a medicação.

Entretanto, a consequência desta prática tende a ser uma evolução da condição, trazendo mais prejuízos para o paciente. Apesar de ocorrer uma melhora no estado de saúde, é necessário seguir a orientação do profissional e continuar com o tratamento até a data estipulada.

Desinteresse pelo tratamento

Em alguns casos, a baixa adesão ao tratamento é explicada pelo total desinteresse do paciente, sendo um dos desafios mais complexos. Isso porque depende da mudança de mentalidade dele e do desejo de melhorar ou não.

Ainda, uma solução possível para essa situação é ter uma conversa franca com o indivíduo, apresentando todas as possíveis consequências para o não tratamento da sua condição. Com isso, é possível que ele se motive a seguir o tratamento.

Paciente não percebeu melhora no seu quadro

Outra situação muito comum é a não percepção de melhora. Às vezes, mesmo com a orientação do médico sobre o tempo de tratamento, o paciente não se compromete, pois, esperava uma melhora logo nos primeiros dias.

Prontuário Eletrônico GratuitoPowered by Rock Convert

Ainda, esse tipo de situação também exige o trabalho de mudar a forma de pensar do indivíduo. Para isso, pode ser preciso explicar para ele como determinada substância age no organismo, como aquela possível doença afeta o corpo e as razões que explicam o longo período de tratamento. 

Ademais, esses são alguns dos principais desafios encontrados pelos profissionais de saúde e que levam a desistência. Como resultado desse comportamento, a doença pode evoluir e impossibilitar o tratamento, restando ao paciente o controle dos sintomas.

Conheça 5 passos para evitar o abandono do paciente

A eficácia do tratamento depende do comprometimento do paciente em seguir as orientações médicas. Porém, o profissional de saúde também deve acompanhar a evolução do quadro e buscar maneiras para que haja uma maior adesão. Neste sentido, conheça cinco passos para reduzir o número de pacientes desistentes.

1) Analise os riscos de abandono

Nem sempre é possível identificar antecipadamente os motivos que podem levar o paciente a desistir do tratamento. Assim, é preciso adotar uma atitude preventiva, ou seja, estar atento aos comportamentos que possam indicar um indício de abandono.

Para isso, você pode considerar fatores sociodemográficos, o perfil do paciente, histórico de tratamentos anteriores, etc. Ao perceber os sinais de desistência, converse com ele e destaque a importância de tratar a sua condição e as consequência de não fazê-lo.

2) Personalize o atendimento

Quando procuram por um profissional de saúde, as pessoas costumam estar lidando com algum desconforto, sentimento de angústia ou preocupação. Assim, ao entrar no consultório, esperam ser acolhidas e bem recepcionadas pelos funcionários.

Além disso, ao receber um tratamento personalizado, tendem a se sentirem mais importantes, o que pode motivá-las a manter o tratamento. Então, para conseguir oferecer este tipo de atendimento, implemente um sistema de gestão, melhore o seu pós-consulta, envie e-mail marketing e SMS com felicitações em datas comemorativas e com lembretes das consultas.

3) Organize o consultório

Em alguns casos, a desistência do paciente é motivada por questões relacionadas à organização do consultório, como, por exemplo, erro na marcação de consultas, atrasos no atendimento, confusão com o prontuário, entre outros.

Apesar de parecerem inofensivas, essas pequenas atitudes transmitem a ideia de amadorismo, o que leva o paciente a abandonar o tratamento ou procurar outro médico. Para evitar essa situação, capacite seus funcionários e invista em um software médico seguro.

4) Conheça as expectativas do paciente

Outra razão comum para a desistência do paciente é a falta de comunicação do profissional no que diz respeito às expectativas com o resultado o tratamento. Por isso, é fundamental questionar o indivíduo sobre quais objetivos ele espera alcançar.

5) Ofereça um ambiente acolhedor

Ao buscar assistência médica, o paciente espera ser bem atendido, conta com a pontualidade do médico e deseja se sentir acolhido. Um ambiente desagradável pode desestimulá-lo a permanecer no consultório, desistindo do tratamento.

Neste sentido, dedique-se a tornar o seu local de trabalho um lugar acolhedor. Para isso, preocupe-se com a iluminação do lugar, o conforto das poltronas, a climatização, o nível de barulhos, entre outros. Além disso, capacite seus funcionários para estarem continuamente melhorando o ambiente.

Enfim, ao seguir esses cinco passos você estará dando um importante passo para estimular o paciente a procurar o seu consultório e persistir com o tratamento. Assim, você será capaz de evitar o alto índice de desistentes e os efeitos negativos que isso tem para a saúde do paciente e para seu atendimento.

Quer saber mais sobre o assunto? Continue navegando pelo blog iMedicina!

metodologia imedicinaPowered by Rock Convert

Deixe seu
comentário

Compartilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Assuntos
Mais Procurados

Clínicas Digitais | Conheça o Livro
iMedicina Software Gratuito - Conheça!

Ainda não encontrou
o que buscava?

Método iMedicina

O iMedicina é uma das 10 Maiores Empresas de Tecnologia da Área de Saúde do Brasil, segundo a Distrito.me

Auxiliamos Profissionais de saúde nos 3 Pilares Fundamentais que precisam para prosperar na carreira: