As principais perguntas e respostas sobre relacionamento com paciente

relacionamento com o paciente

O relacionamento com o paciente acabou se tornando frio e mais impessoal devido às transformações trazidas pela rotina corrida, tanto dos profissionais, quanto das pessoas que frequentam o consultório médico.

Uma das reclamações mais comuns da população em geral, em relação à prestação dos serviços nas clínicas e consultórios é exatamente essa. O contato com o médico, que antes representava a autoridade em saúde para toda aquela família, deixou de ser referência e abriu espaço para atendimentos rápidos, indiferentes e sem o famoso olho no olho.

Acontece que a massificação da internet acabou por modificar toda uma forma de consumir produtos e serviços. Os consumidores de agora são muito mais exigentes em relação aos consumidores de 10 ano atrás. As pessoas passaram a buscar não só a qualidade do serviço em si, mas também o valor da experiência como um todo.

Por isso, a relação com o paciente precisou tomar um novo rumo. O médico que constroi um relacionamento baseado em confiança e consegue gerar valor real para seu paciente, além do bom atendimento técnico, sai na frente perante a concorrência.

No entanto, desenvolver esse tal relacionamento com o paciente acaba gerando muitas dúvidas para os profissionais. Será que o paciente não vai confundir o relacionamento profissional com o pessoal? Será que apenas um atendimento humanizado já é suficiente? O que e como fazer para criar conexão com o paciente?

Diante de tantas incertezas, elaboramos este artigo para que você entenda de uma vez por todas como isso funciona e o que deve ou não ser feito. Acompanhe!

 Relacionamento com paciente é ético?

O capítulo V do Código de Ética Médica trata especificamente do relacionamento entre médico e paciente e diz o que deve ou não ser feito em termos de responsabilidade do médico, quanto à pessoa que lhe solicita auxílio em saúde.

No entanto, o relacionamento ao qual nos referimos aqui, além de levar em consideração toda a tratativa do Código de Ética Médica, também visa a experiência do paciente enquanto cliente, consumidor dos seus serviços médicos.

Mesmo quando abordamos o serviço em saúde, ponderando toda a responsabilidade profissional, naturalmente, é preciso lembrar que o consultório ou clínica também é um empreendimento e precisa ser visto com tal.

 A ideia aqui não é simplesmente comercializar a prestação da consulta médica, muito pelo contrário, é lembrar que o paciente também é o seu cliente e deve ter a melhor experiência possível dentro do seu consultório.

Por isso, o relacionamento se torna algo tão importante. Desde que atenda os preceitos éticos da profissão, a relação com o paciente deve começar a ser construída mesmo antes da marcação da consulta médica.

É a relação de confiança criada a partir da boa comunicação com o paciente durante a atração, atendimento e pós-consulta, que a pessoa vai se conectar ao médico e passar a enxergá-lo como autoridade naquela área de atuação.

Portanto, o relacionamento com o paciente pautado no respeito e confiança é sim um ato ético e deve ser praticado durante toda a jornada do paciente.

 É possível fazer relacionamento com paciente apenas usando papel e caneta?

Sim, é possível. Porém, muito mais complicado. 

Quem utiliza papel e caneta acaba ficando refém das ligações telefônicas. Convenhamos que nesse mundo cada dia mais digital, as pessoas não querem atender ligações sem antes saber do que se trata. 

Prontuário Eletrônico GratuitoPowered by Rock Convert

A maior parte da comunicação é realizada por mensagens instantâneas e parar o que está fazendo para falar com a secretária do consultório ao telefone, hoje em dia, é uma situação bem pouco provável.

Então, além de invasivas, essas ligações tomam tempo. Tempo do paciente e tempo da equipe destinada à essa tarefa. Sem contar o fato de que como muitas pessoas não atendem de imediato, a equipe precisa insistir ou retomar a tarefa mais tarde, significando muito esforço para pouca efetividade.

No mesmo sentido, imagine um consultório que atenda 10 pacientes por dia. Como fazer relacionamento pós-consulta de forma manual com todas essas pessoas? Como enviar e-mail marketing para cada um desses pacientes? O médico vai precisar redigir um por um, então alguém vai ficar de fora, não é mesmo? 

No início pode até ser mais fácil, mas ao decorrer do tempo, com toda a correria do dia a dia, fila de espera lotada, plantões e deslocamento, a tendência é que essas tarefas deixem de ser realizadas e o relacionamento com o paciente fique seriamente prejudicado em virtude de outras atividades prioritárias no consultório.

É por isso que utilizar um software médico já deixou de ser facultativo. O software otimiza o relacionamento com o paciente e organiza toda a gestão. Boas plataformas médicas, como o iMedicina, oferecem automações indispensáveis para o consultório.

Assim, as estratégias conseguem fazer parte da rotina e não são esquecidas em meio a tantas atribuições. 

Relacionamento com paciente é uma tarefa apenas durante o atendimento?

É comum essa confusão, principalmente para quem não entende a necessidade do relacionamento para atrair e fidelizar pacientes.

Uma boa relação, que traz bons frutos ao consultório é construída pouco a pouco. Ela precisa começar antes do agendamento da consulta, lá na Fase de Atenção da jornada do paciente.

Criar uma conexão que justifique a marcação da consulta com você é um processo que pode demorar dias ou horas. Por isso, é necessário criar estratégias de comunicação que alcance seu paciente independente da fase que ele se encontra. 

Depois da consulta agendada é que começa o relacionamento pessoal, durante o atendimento. Mas, ele não acaba quando a pessoa deixa o consultório. Para que haja fidelização e construção da relação de confiança sólida, a comunicação precisa continuar após a consulta.

As estratégias de relacionamento pós-consulta são indispensáveis para manter o paciente em sua base e garantir a indicação dele aos conhecidos.

É possível aumentar o número de consultas particulares com estratégias de relacionamento?

Quem não investe em relacionamento com o paciente acaba ficando dependente dos convênios. Isso porque não há construção de uma relação de confiança que justifique a fidelização da pessoa àquele médico. Afinal, competência técnica é possível encontrar em diversos consultórios.

É claro que há profissionais mais especializados que outros e o currículo e atualizações constantes continuam sendo primordiais para oferecer um atendimento de excelência. 

No entanto, além de buscarem por alguém que seja referência naquela área médica, o paciente leva em consideração toda a experiência com aquele serviço para que se justifique o valor pecuniário pago por ela.

 Quando essa relação é estabelecida e o médico consegue gerar valor real ao paciente, o preço da consulta pago em contrapartida é totalmente aceitável.

Investir em um bom relacionamento com o paciente pode ser o caminho para resolver diversos problemas de aquisição e manutenção dos pacientes na sua base. Leia esse artigo do blog e entenda como o iMedicina pode te ajudar nesta tarefa: Como o iMedicina otimiza seu relacionamento com paciente

metodologia imedicinaPowered by Rock Convert

Deixe seu
comentário

Compartilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Assuntos
Mais Procurados

Clínicas Digitais | Conheça o Livro
iMedicina Software Gratuito - Conheça!

Ainda não encontrou
o que buscava?

Método iMedicina

O iMedicina é uma das 10 Maiores Empresas de Tecnologia da Área de Saúde do Brasil, segundo a Distrito.me

Auxiliamos Profissionais de saúde nos 3 Pilares Fundamentais que precisam para prosperar na carreira: