Telemedicina é permitida no Brasil?

telemedicina

A telemedicina é um dos temas de maior destaque entre a categoria médica na atualidade. A pandemia da Covid-19 gerou uma forte recomendação de restrição na circulação de pessoas, inclusive com autoridades estaduais e municipais determinando isolamento em casa.

Dessa forma, para que a população não ficasse desamparada sem as consultas, o Conselho Federal de Medicina (CFM) liberou, em caráter temporário, os atendimentos médicos a distância.

Entretanto, a medida ainda desperta dúvidas e, por isso, vale a pena entender como é realmente a permissão dessa prática no país. Então, continue a leitura!

Como é a regulamentação da telemedicina no Brasil

A telemedicina tem regulamentação específica no Brasil, e toda determinação referente a ela é feita pelo próprio CFM. Existem alguns documentos que merecem atenção especial a respeito do exercício da medicina a distância, sendo eles:

  • Resolução CFM 1.643/2002;
  • Resolução CFM 2.227/2018;
  • Ofício CFM 1.756/2020;
  • Portaria 467 do Ministério da Saúde.

A seguir, entenda melhor cada uma deles para compreender de vez o que está em vigor no país.

Resolução CFM 1.643/2002

Atualmente, a regulamentação da telemedicina no Brasil se dá pela Resolução CFM 1.643/2002, que fez com que a categoria tivesse uma definição da prática, isto é, a medicina exercida por meio de “metodologias interativas de comunicação audiovisual e de dados, com o objetivo de assistência, educação e pesquisa em saúde”.

A medida ainda permite, em situações emergenciais, emissão de laudo à distância para dar suporte a diagnósticos e tratamentos.

Resolução CFM 2.227/2018

Após um longo período de debates sobre a prática médica online, em fevereiro de 2019, o CFM divulgou a resolução 2.227/2018, que tinha tudo para representar uma grande transformação com relação à telemedicina no Brasil.

A medida dava permissão à realização de consultas, diagnósticos e cirurgias à distância, com regras específicas. Entretanto, a comunidade médica exigiu maior debate sobre o tema e, com isso, a resolução foi revogada, mantendo em vigor a Resolução 1.643/2002.

O assunto certamente não morreu por aí, uma vez que o novo Código de Ética Médica, ativo desde abril de 2019, trouxe atualizações sobre a telemedicina. Segundo o artigo 37, do capítulo V, o atendimento médico a distância e suas regulamentações deverão sempre partir das determinações do CFM.

Em outras palavras, o conteúdo demonstra que o tema permanece em constante discussão entre a comunidade médica, principalmente levando em conta as transformações da sociedade contemporânea e os avanços dos consultórios digitais. 

Ofício CFM 1.756/2020

Na evolução dos documentos que definem o exercício da medicina digital, agora é preciso destacar o Ofício CFM 1.756/2020. Por meio dele, o CFM reconheceu os desafios que o mundo e a sociedade brasileira estão enfrentando diante da disseminação da Covid-19.

Os sistemas de saúde de diversos países estão sofrendo uma verdadeira superlotação para atender casos relacionados ao novo coronavírus, mas, também, outras urgências de saúde. E, assim, o conselho reafirmou no documento as recomendações de entidades como a Organização Mundial da Saúde (OMS) de isolamento social, como estratégia para a redução da propagação do novo coronavírus.

Ou seja, essa restrição na circulação poderia ter um impacto significativo no amparo à população que necessita de atendimentos por questões variadas de saúde, mas que não são necessariamente emergenciais.

Por isso, o CFM decidiu permitir o exercício da telemedicina, de forma excepcional, durante o período de combate à Covid-19. No Ofício CFM 1.756/2020 ficou determinado a utilização do atendimento à distância para três situações específicas:

  • Teleorientação: médico orientam e dão encaminhamento aos pacientes a distância;
  • Telemonitoramento: médicos orientam e supervisionam parâmetros de saúde e/ou doença, também a distância;
  • Teleinterconsulta: médicos compartilham informações e posicionamentos com colegas, de forma a favorecer diagnóstico e tratamento.

É importante ressaltar que essa determinação não invalida a Resolução CFM 1.643, que continua vigorando no país.

Portaria 467 do Ministério da Saúde

A partir do ofício mencionado no ponto anterior, cabe destaque, então, para a Portaria 467 do Ministério da Saúde, cuja publicação foi pouco após a divulgação do documento do Conselho Federal de Medicina.

A norma serve justamente para autorizar a prática da telemedicina para atender pacientes em meio a pandemia atual. E, assim, a pasta permitiu aos médicos, tanto da rede pública quanto da privada, o exercício da profissão a distância, incluindo:

  • Atendimento pré-clínico;
  • Suporte assistencial;
  • Consulta;
  • Monitoramento;
  • Diagnóstico.

Como funciona o atendimento médico à distância

Conforme os termos do Ministério da Saúde, médicos podem realizar atendimento online aos pacientes, resguardando a segurança e o sigilo tradicionalmente exigido nessa relação. Isto é, o profissional precisa oferecer essas garantias para colocar a telemedicina em prática. E vale lembrar que o acesso à internet é uma premissa básica para esse processo.

Para que tudo fique devidamente registrado, o médico deve anotar as informações referentes ao serviço no prontuário clínico, incluindo alguns detalhes como data e horário do atendimento em questão.

Assim como seria na forma presencial, o meio online de assistência à população também permite emissão de atestados, receitas de medicamentos, entre outras recomendações para o tratamento do paciente.

Além disso, um ponto importante destacado pelo ministério é que quem exerce a medicina tem o dever de notificar casos de Covid-19 às autoridades de saúde.

Consulta na telemedicina é real e séria

É importante deixar claro que o atendimento médico online tem grande relevância para a compreensão da condição de saúde do paciente, assim como a consulta presencial.

Apesar das limitações para a realização do exame clínico, pelo meio digital, o profissional pode ouvir as queixas da pessoa, busca entender questões de seu histórico, entre outros pontos que são fundamentais para a compreensão do quadro.

Médicos devem acompanhar atualizações

Como foi apresentado nesse texto, a telemedicina é um tema que gera muitos debates e possibilidades de transformações na prática médica. É por isso que, mesmo que hoje essa modalidade de atendimento esteja em vigor no país, médicos precisam ficar atentos às atualizações e determinações das autoridades competentes e, assim, atuarem dentro das normas impostas à categoria.

Navegue pelo blog e encontre mais conteúdos completos sobre esse tema.

Deixe seu
comentário

Compartilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Assuntos
Mais Procurados

Clínicas Digitais | Conheça o Livro
iMedicina Software Gratuito - Conheça!

Ainda não encontrou
o que buscava?

Método iMedicina

O iMedicina é uma das 10 Maiores Empresas de Tecnologia da Área de Saúde do Brasil, segundo a Distrito.me

Auxiliamos Profissionais de saúde nos 3 Pilares Fundamentais que precisam para prosperar na carreira:

Já está de saída?

Junte-se a dezenas de milhares de Médicos e receba no seu email os melhores conteúdos sobre gestão, empreendedorismo e marketing em saúde.

Ao inscrever na nossa newsletter, você está autorizando o iMedicina a enviar conteúdos de seu interesse. Jamais fazemos spam! Confira nossa política de privacidade.