LGPD: o que quer dizer respeito à privacidade nos termos do parágrafo 2°

LGPD

A partir da revolução tecnológica pela qual o mundo passa, surgiu uma grande necessidade de proteger os dados pessoais dos usuários, que se tornaram um produto comercializado. Assim, o movimento iniciado na Alemanha, na década de 70, chegou ao Brasil através da LGPD.

Você já ouviu falar nessa nova legislação? Sabe como ela irá impactar o consumidor final? Então, continue a leitura deste artigo, pois, você e seu consultório também precisam lidar com essa lei. 

O que é a LGPD?

A sigla LGPD refere-se à Lei Geral de Proteção de Dados do Brasil (Lei n.º 13.709/2018), sancionada em agosto de 2018 e, atualmente, já está em vigor no país.

A criação desta legislação pretende atender a uma nova tendência global para a regulamentação das políticas de uso de dados, cujo objetivo é traçar diretrizes claras para a privacidade e a segurança dos usuários da internet.

Além disso, a Lei n.º 13.709/2018 promove a criação de um padrão de normas e práticas que ofereçam proteção aos dados pessoais, processados no país ou no exterior, de toda pessoa que esteja em território nacional. De modo geral, os objetivos da LGPD são:

  • transparência: estabelece regras claras a respeito do tratamento dos dados pessoais;
  • proteção à privacidade: garante o direito à privacidade e à proteção de dados dos usuários através de ações transparentes e seguras;
  • padronização de normas: cria regras únicas sobre tratamento de dados pessoais por todos aqueles que realizam a sua coleta;
  • desenvolvimento: promove o desenvolvimento tecnológico e econômico;
  • segurança jurídica: garante a livre iniciativa, defesa das relações comerciais e de consumo, livre concorrência e fortalece a segurança das relações jurídicas;
  • favorecimento à concorrência: fomenta a concorrência e a livre atividade econômica.

Sobre o que trata o artigo 2º?

Um dos pontos mais importantes da Lei Geral de Proteção de Dados está no seu segundo artigo. Isso porque trata, especificamente, dos fundamentos dessa legislação. Neste artigo, a lei esclarece que:

“Art. 2º A disciplina da proteção de dados pessoais tem como fundamentos:

I – o respeito à privacidade;

II – a autodeterminação informativa;

III – a liberdade de expressão, de informação, de comunicação e de opinião;

IV – a inviolabilidade da intimidade, da honra e da imagem;

V – o desenvolvimento econômico e tecnológico e a inovação;

VI – a livre iniciativa, a livre concorrência e a defesa do consumidor; e

VII – os direitos humanos, o livre desenvolvimento da personalidade, a dignidade e o exercício da cidadania pelas pessoas naturais.”

Ainda, esse embasamento explica que a LGPD é construída sob a premissa do respeito à privacidade e à liberdade. Já a autodeterminação afirmativa trata da soberania do cidadão em relação as suas informações pessoais e, por isso, precisa protagonizar toda discussão referente ao tratamento dos seus dados.

Ademais, os itens IV e V tornam clara e previnem contra uma das principais preocupações do uso indiscriminado dos dados pessoais: a possibilidade de serem utilizados para prejudicar os seus proprietários.

Por fim, os últimos dois itens foram inseridos para reforçar a ideia de que a Lei n.º 13.709/2018 não foi criada para afetar negativamente as atividades das empresas que fazem o tratamento dos dados, mas sim para proteger o cidadão.

Neste artigo, vamos nos ater ao tema principal da LGPD: o direito à privacidade e à proteção dos dados pessoais. Você entende o que esses direitos significam? 

Prontuário Eletrônico GratuitoPowered by Rock Convert

O que é o direito à privacidade?

O direito à privacidade está diretamente ligado ao direito da personalidade humana. Com os avanços tecnológicos, as relações pessoais mudaram e exigiram uma evolução da legislação em vigor. Afinal, como proteger a intimidade de alguém no ambiente digital?

Ainda, a Constituição Federal, no seu artigo 5º, assegura a inviolabilidade desse direito, sobre pena de indenização e outras medidas necessárias. Além disso, a privacidade também está garantida na Lei 12.965/14, que regula os direitos e deveres do uso da internet no Brasil.

Ademais, o direito à privacidade atende à necessidade de oferecer espaço para o desenvolvimento do indivíduo, sem a imposição do Estado, separando a vida privada do ambiente público e preservando o direito à intimidade e a autonomia de cada cidadão.

O que é o direito à proteção dos dados pessoais?

A LGPD entende como “dados pessoais” toda informação associada à pessoa natural identificada ou identificável. O direito à proteção destes dados surge após a criação do direito à privacidade e pretende atender ao novo momento da era da informação.

Ainda, proteger os dados pessoais dos cidadãos consiste em observar a forma o seu processamento e tratamento por terceiros, preservando a sua privacidade. Além disso, a preocupação com essas informações está na percepção do nível de poder que podem oferecer a quem as detém e do mercado que surge na comercialização desse dado.

Em nosso modelo de sociedade atual, há uma automatização na análise e no tratamento dos dados pessoais. Em virtude dessa forma de processamento, podem surgir diferentes problemas, tais como, seleção discriminatória de candidatos e a criação não autorizada de perfis virtuais.

Qual o impacto da LGPD para o consumidor final?

Agora você já entendeu os fundamentos da LGPD e os princípios que norteiam o direito à privacidade e à proteção dos dados pessoais. Então, talvez se pergunte: como essa legislação irá impactar a relação entre médico e paciente?

Por se tratar de uma lei que garante a privacidade e a segurança das informações pessoais, o primeiro aspecto a ser observado é a necessidade de garantir a confidencialidade dos dados dos seus pacientes, seja a posse deles em formato eletrônico ou físico.

Neste sentido, a sua prestação de serviço deve atender ao conceito de Privacy by Design, que assegura a privacidade dos dados desde os primeiros processos, inclusive na configuração dos softwares médicos e/ou prontuários eletrônicos e outros sistemas que sejam utilizados na clínica ou consultório.

Outro ponto é que a LGPD permite ao paciente a possibilidade de autorizar ou não o compartilhamento e quais dados podem ser compartilhados. Porém, essa autorização pode ser revogação a qualquer tempo por ele. Ademais, a lei também exige que o titular saiba para quais fins suas informações serão repassadas. 

Outrossim, os consultórios e clínicas só poderão solicitar os dados que realmente sejam importantes para a empresa, com a necessidade de comprovação dessa motivação.

Ainda, o descumprimento das normas estabelecidas nesta legislação gera diferentes tipos de sanções. A primeira medida é uma advertência que solicita a correção da irregularidade. Porém, em caso de reincidência, o consultório terá que pagar uma multa de até 2% sob seu faturamento líquido, limitado a R$ 50 milhões de reais.

Como o iMedicina atua para cumprir a LGPD?

Geralmente, no que diz respeito ao cumprimento da LGPD pelos profissionais de saúde, o compartilhamento de dados dos pacientes ocorre pelos sistemas que são utilizados por eles. Dessa forma, tanto os médicos quanto as fornecedoras dos softwares precisam atender à legislação.

O iMedicina pode ser considerado um bom exemplo para essas empresas. Isso porque já se adaptaram às exigências e não distribuem qualquer tipo de informação que possa trazer prejuízos morais, ferir a integridade ou violar a privacidade dos titulares desses dados.

Ademais, todas as informações coletadas pelo iMedicina estão descritas em sua Política de Privacidade, tais como, dados cadastrais, registros eletrônicos, dados de pagamento e de saúde indispensáveis para o atendimento médico. Dessa forma, se restringe a captar os dados estritamente necessários para sua atividade.

Ainda, o iMedicina também adotou a implementação de controles de acesso rígidos aos seus sistemas, o que garante a confidencialidade e a inviolabilidade dos dados de saúde dos pacientes.

Assim, para atender as exigências da LGP é essencial que profissionais de saúde optem por softwares médicos seguros que sejam transparentes sobre a forma como tratam os dados coletados.

Por fim, a LGPD surgiu com o objetivo de proteger as informações pessoais de todos os cidadãos, inclusive o seu. Por isso, é fundamental entender seu teor, se adaptar a essa nova realidade e se manter dentro da legalidade.

Quer saber mais sobre o assunto? Continue navegando pelo Blog iMedicina.

metodologia imedicinaPowered by Rock Convert

Deixe seu
comentário

Compartilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Assuntos
Mais Procurados

Clínicas Digitais | Conheça o Livro
iMedicina Software Gratuito - Conheça!

Ainda não encontrou
o que buscava?

Método iMedicina

O iMedicina é uma das 10 Maiores Empresas de Tecnologia da Área de Saúde do Brasil, segundo a Distrito.me

Auxiliamos Profissionais de saúde nos 3 Pilares Fundamentais que precisam para prosperar na carreira: