Sigilo do prontuário do paciente: saiba mais

prontuário

O prontuário é um documento que consta todas as informações referentes ao estado clínico do paciente, além de seus dados pessoais. Devido à importância desses dados, esse documento é sigiloso, ou seja, as informações nele contidas não podem, em hipótese alguma, ser extraviadas ou compartilhadas com terceiros.

É importante destacar que o prontuário pertence ao paciente, e não ao hospital ou clínica como muitos pensam. Nesse sentido, somente ele pode autorizar o acesso a esses dados. Do contrário, o profissional fica proibido de divulgar essas informações.

Com o intuito de ajudar você a entender mais sobre esse assunto, escrevemos este artigo para explicar com mais detalhes como funciona o sigilo do prontuário do paciente.

Qual legislação garante o sigilo profissional entre médico e paciente?

Do artigo 73 ao 79, o Código de Ética Médico é bem claro sobre o sigilo profissional entre o médico e o paciente. Além dele, o Código Penal Brasileiro também frisa a importância de manter essa confidencialidade. 

O Código de Ética Médico impede que o profissional da saúde revele qualquer tipo de informação do seu paciente a respeito dos seus diagnósticos, tratamentos e qualquer outro dado que ele teve acesso durante o período que cuidou do indivíduo clinicamente.

Além disso, de acordo com o artigo 78 do Código de Ética, o médico tem a obrigação de orientar seus alunos e auxiliares a respeito da importância do sigilo do prontuário e, inclusive, zelar para que ele seja mantido por todos os envolvidos no cuidado com o paciente.

Tenha em mente que o sigilo é um direito do seu paciente, e é o seu dever mantê-lo. Além disso, é válido destacar que o sigilo do prontuário é uma maneira de proteger as demais pessoas.

Isso porque esse documento garante que os dados ali contidos sobre o atendimento e tratamento não serão usados em tratamentos de terceiros, sem orientação médica.

Quando terceiros podem ter acesso ao prontuário do paciente?

O médico pode quebrar o sigilo do prontuário do paciente em apenas três situações:

  • por expressa autorização do paciente;
  • por dever legal;
  • por justa causa.

Com exceção dessas situações, o prontuário pode ser entregue a terceiros quando:

  • o paciente for menor de idade: somente o responsável legal será autorizado a ter acesso ao documento;
  • o paciente for considerado incapaz: após a comprovação por documento legal (certidão de interdição, por exemplo), o seu responsável legal (curador) poderá ter acesso ao prontuário;
  • o paciente estiver inconsciente: as informações sobre o seu estado de saúde precisam contar em um laudo médico para que o prontuário seja liberado ao responsável pela assistência.

Em casos de falecimento do paciente, o artigo 1º da Recomendação do CFM nº 3/2014 afirma que o prontuário pode ser entregue ao cônjuge ou aos seus sucessores legítimos em linha reta, ou colaterais até o quarto grau, desde que haja comprovação documental do vínculo familiar e observada a ordem de vocação hereditária.

Prontuário Eletrônico GratuitoPowered by Rock Convert

Em relação aos pedidos de autoridades judiciais, também é preciso ter cautela, uma vez que no artigo 89, §1º, do Código de Ética Médico está claro que “quando requisitado judicialmente o prontuário será disponibilizado ao perito médico nomeado pelo juiz.”

Quais as consequências da quebra de sigilo? 

Como você pode perceber, o Código de Ética Médico configura a relação de confiança entre médico e paciente é algo obrigatório e sigiloso. Portanto, nenhuma das informações sobre procedimentos e providências a respeito do quadro clínico do paciente devem ser reveladas.

De acordo com o artigo 154 do Código Penal Brasileiro, constitui-se crime compartilhar as informações contidas em um prontuário médico, cuja sua revelação produza dano ao paciente. Tal crime pode resultar na intervenção policial, mediante representação do interessado.

A penalização para esse tipo de crime pode chegar a uma detenção de três meses a um ano, ou então o pagamento de multa para aquele que revelar as informações contidas no prontuário sem justa causa.

Essa medida tem como objetivo preservar a intimidade do paciente e a sua vida particular. Sendo assim, quando ocorre a quebra de sigilo do prontuário do paciente sem qualquer uma das justificativas listadas no tópico anterior, o compartilhamento desses dados representa uma invasão de privacidade, tanto do paciente quanto de seus familiares.

A finalidade dessa lei visa fortalecer a confiança que o paciente deposita no profissional da saúde na hora de entregar o seu bem-estar aos seus cuidados e, assim, ter acesso a um atendimento seguro.

Como garantir o sigilo médico?

Além de não comentar os casos que tratou com terceiros, o profissional também tem a obrigação de proteger essas informações. Para isso, algumas ações precisam ser colocadas em prática. Entre as principais podemos citar:

  • fazer uso de um prontuário eletrônico: essa é uma ferramenta que facilita muito o dia a dia de uma instituição de saúde. Isso porque esses softwares médicos oferecem diversas funcionalidades que ajudam a agilizar o atendimento médico e, ao mesmo tempo, garante a proteção das informações, pois conta com um sistema de segurança de criptografia para assegurar que nenhuma pessoa mal intencionada terá acesso aos dados.
  • desenvolver atitudes positivas: é muito comum os profissionais da saúde debaterem sobre diagnósticos e possíveis tratamentos. No entanto, nesse momento é preciso tomar cuidado para não identificar o paciente e descrever apenas o quadro clínico. Com essa postura, você consegue trocar ideias com seus colegas de profissão sem colocar em risco a privacidade dos seus pacientes.

O sigilo do prontuário do paciente é um assunto muito sério, pois quando quebrado, pode trazer sérias consequências para o profissional responsável pelo ato.

É importante investir em soluções tecnológicas que garantem a proteção dessas informações e que permitem o acesso somente de pessoas autorizadas.

Acredite, um prontuário eletrônico é um investimento para a sua clínica. Afinal, nada paga a possibilidade de poder trabalhar tranquilo, sem se preocupar com questões burocráticas de segurança. Além disso, essas soluções tecnológicas também contribuem para um melhor atendimento e gestão do seu consultório. 

No entanto, lembre-se de que é sempre importante procurar por empresas de credibilidade, que já apresentam cases de sucesso e já têm a sua tecnologia validada no mercado. Essa é uma maneira eficiente de fazer o investimento certo e sem futuras dores de cabeça.

Quer saber mais sobre prontuário e outros assuntos importantes para seu consultório? Continue navegando pelo blog!

metodologia imedicinaPowered by Rock Convert

Deixe seu
comentário

Compartilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Assuntos
Mais Procurados

Clínicas Digitais | Conheça o Livro
iMedicina Software Gratuito - Conheça!

Ainda não encontrou
o que buscava?

Método iMedicina

O iMedicina é uma das 10 Maiores Empresas de Tecnologia da Área de Saúde do Brasil, segundo a Distrito.me

Auxiliamos Profissionais de saúde nos 3 Pilares Fundamentais que precisam para prosperar na carreira:

  • 1) Atração de pacientes
  • 2) Atendimento com Eficiência e Tecnologia
  • 3) Relacionamento e fidelização

Já está de saída?

Junte-se a dezenas de milhares de Médicos e receba no seu email os melhores conteúdos sobre gestão, empreendedorismo e marketing em saúde.

Ao inscrever na nossa newsletter, você está autorizando o iMedicina a enviar conteúdos de seu interesse. Jamais fazemos spam! Confira nossa política de privacidade.