Telemedicina: por que não utilizar ferramentas de uso comum

telemedicina

O conceito de telemedicina já é bem conhecido pelo mundo. Nas últimas décadas, a tecnologia avançou tanto que impactou diretamente na forma como médicos e pacientes se relacionam e no modo como os profissionais da saúde trocam dados entre si. A possibilidade de usar meios de comunicação para ampliar o contato tornou o processo de troca de informação mais ágil e simples. 

Em diversos países do mundo, e agora no Brasil, já é possível se valer das metodologias interativas de comunicação audiovisual para a prestação dos serviços médicos. Isso inclui as modalidades de atendimento online, como a teleconsulta, teleorientação, diagnóstico e monitoramento. 

A transformação que essa tecnologia trouxe para a medicina vai além de apenas possibilitar o atendimento remoto. Esse recurso significa mais acesso à assistência médica para populações mais afastadas, mais celeridade na  triagem e laudos médicos mais especializados. Conduta essas que repercutem positivamente no tempo e na qualidade dos diagnósticos, contribuindo para transformar a saúde, melhorando a atenção à saúde básica e aliviando a sobrecarga nos centros de saúde.

É inegável os benefícios que telemedicina trouxe para os profissionais e pacientes. Em tempos de isolamento social, o artifício tecnológico se provou uma alternativa eficiente para resolver a necessidade de afastamento físico, sem deixar de lado o alcance ao atendimento médico de qualidade.

Contudo, a novidade gera algumas dúvidas pertinentes à segurança e formas de uso, em consequência da falta de regulamentação no país. Uma das preocupações mais relevantes se refere ao tipo de plataforma que pode ser empregadas para viabilizar as teleconsultas e como elas devem ser utilizadas para oferecer um atendimento seguro para ambas as partes. 

É verdade que as ferramentas de uso comum não são ideais para a prestação desse serviço. Vamos explicar melhor no decorrer do artigo. Acompanhe.

Quais são as ferramentas de uso comum e como são utilizadas

Quando me refiro às ferramentas de uso comum, falo sobre plataformas colaborativas populares, que unem tecnologia de áudio e vídeo para videoconferências online. 

Os meios de comunicação via internet estão cada vez mais conhecidos. Um dos motivos é o aumento da capacidade de processamentos dos dispositivos móveis, como os smartphones, tablets e notebook, que tornam esses recursos multimídias cada vez mais viáveis. Outro motivo é a crescente necessidade de comunicação entre pessoas de localização diversa, seja pelo aumento do home office, ensino à distância ou facilidade de viajar e conhecer pessoas de outras localizações.

A videoconferência é mais que uma realidade no meio corporativo, ela é indispensável para diversos setores organizacionais. Não é atoa que os aplicativos que permitem contato visual e sonoro em tempo real, estão mais desenvolvidos a cada dia que passa. Grandes empresas como o Google e o Facebook apostam nesse tipo de comunicação, pois entendem a imprescindibilidade delas para o cenário atual.

O Whatsapp (Facebook Inc.) e o Google Meet  (Google) são exemplos disso. Impossível conhecer alguém alguém que não se comunica através do whatsapp ou já tenha feito uma chamada de vídeo pelo Meet. Igual a essas opções, temos um monte no mercado. Elas foram desenvolvidas para que as pessoas pudessem trocar mensagens de forma simples e ágil no dia a dia.

 Contudo, há de se lembrar sobre a segurança da informação nesses aplicativos. Como ela é realizada? Apesar da criptografia, há como garantir que as mensagens não serão copiadas e alteradas por alguém? E a suscetibilidade à clonagem do dispositivo e consequente uso dessas plataformas pelo dispositivo clonado, como em muitos casos de uso do whatsapp para fins ilícitos a partir da clonagem dos números.

Essas são algumas das questões que põe em xeque a utilização dessas ferramentas para os serviços de saúde. 

Por que não usar esses aplicativos para a telemedicina

De acordo com a RESOLUÇÃO CFM nº 1.643/2002, norma vigente sobre a telemedicina no Brasil, antes da portaria 467/20 do Ministério da Saúde, “ Os serviços prestados através da Telemedicina deverão ter a infraestrutura tecnológica apropriada, pertinentes e obedecer as normas técnicas do CFM pertinentes à guarda, manuseio, transmissão de dados, confidencialidade, privacidade e garantia do sigilo profissional. “

A classe médica sempre foi ciente da importância do sigilo médico durante os atendimentos. Isso não é nenhuma novidade. A lei, no entanto, não se absteve de mencionar esses princípios novamente em seu texto. Isso ilustra como essa é uma questão que devemos ter bastante cuidado durante a prática dos serviços médicos remotos.

Apesar de não haver lei que especifica o que pode ou não pode ser utilizado como plataforma para a telemedicina, é dever do profissional resguardar seu paciente. Portanto, sempre que se optar por uma ferramenta, deve-se estar atento à segurança dos dados e possibilidades de fraudes.

Por todas as questões que mencionamos no decorrer do texto, o uso de aplicativos comuns arrisca ferir preceitos tão importantes para um atendimento médico de qualidade, o que pode resultar em exposição de informações sigilosas do paciente e danos na carreira do profissional.

Como utilizá-la de forma correta?

O mais indicado, principalmente na falta de normas específicas, é optar por utilizar as plataformas de empresas especializadas no ramo da saúde. Isso porque os bons softwares médicos tem segurança de nível bancário e são desenvolvidos levando em consideração as necessidades da classe. 

Para evitar problemas futuros, o profissional deve anotar em prontuário o tipo de plataforma utilizada durante o atendimento, junto com o termo de consentimento assinado pelo paciente. 

A conduta médica nos atendimentos por telemedicina deve a ser a mesma dos atendimentos presenciais. O profissional deve garantir a qualidade do atendimento em quaisquer das circunstâncias escolhidas para realizar o ato médico.

Implementar a telemedicina de forma correta e responsável no consultório, além de ajudá-lo a crescer, ainda evita problemas futuros com os pacientes. 
Continue navegando no blog para mais conteúdos importantes sobre Telemedicina.

Deixe seu
comentário

Compartilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Assuntos
Mais Procurados

Clínicas Digitais | Conheça o Livro
iMedicina Software Gratuito - Conheça!

Ainda não encontrou
o que buscava?

Método iMedicina

O iMedicina é uma das 10 Maiores Empresas de Tecnologia da Área de Saúde do Brasil, segundo a Distrito.me

Auxiliamos Profissionais de saúde nos 3 Pilares Fundamentais que precisam para prosperar na carreira:

Já está de saída?

Junte-se a dezenas de milhares de Médicos e receba no seu email os melhores conteúdos sobre gestão, empreendedorismo e marketing em saúde.

Ao inscrever na nossa newsletter, você está autorizando o iMedicina a enviar conteúdos de seu interesse. Jamais fazemos spam! Confira nossa política de privacidade.