Mitos e verdades da prescrição digital

prescrição digital

Os avanços tecnológicos aplicados à medicina trouxeram uma verdadeira transformação na forma como o profissional de saúde atende aos seus pacientes. Uma dessas mudanças foi o advento da prescrição digital.

No entanto, em função do desconhecimento dessa nova tecnologia e a profusão de informações na internet, surgiram inúmeras afirmações a respeito do tema. Por isso, preparamos este artigo para explicar, dentre essas afirmações, o que é mito e o que é verdade. Acompanhe!

O que é prescrição digital?

Em primeiro lugar, antes de tratarmos especificamente dos boatos relacionados à prescrição digital, você sabe o que é essa inovação? Como o próprio nome explica, é um recurso que torna digital a prescrição de medicamentos, exames e tratamentos.

Ainda, os principais softwares médicos e prontuários eletrônicos do mercado já contam com essa ferramenta. Entre as principais vantagens estão a agilidade no atendimento do paciente e maior adesão dele ao tratamento prescrito.

Além disso, elimina uma das queixas mais comuns dos pacientes: a ilegibilidade da “letra de médico”. Com a prescrição digital, as informações são inseridas no computador, dando maior legibilidade para a receita, beneficiando tanto o paciente quanto o farmacêutico ou outros profissionais envolvidos.

Como funciona a prescrição digital?

A prescrição digital é um recurso tecnológico integrado às principais plataformas de gestão médica e funciona como qualquer formulário eletrônico. Basta apenas que o médico insira os seus dados, do paciente e do tratamento, exame ou medicamento.

Na maioria dos casos, a ferramenta possui uma conexão com uma base de dados, que contém informações sobre milhares de medicamentos. Com isso, ao prescrever um fármaco, o médico passa a dispor das seguintes informações:

  • posologia do medicamento;
  • contraindicações;
  • interações medicamentosas;
  • dados do princípio ativo;
  • possíveis efeitos colaterais;
  • preço médio do medicamento nas drogarias da região;
  • fármacos genéricos ou semelhantes;
  • medicamentos que estão com desconto.

Então, agora que você já sabe o que é a prescrição digital, conhece alguns dos seus benefícios, sabe como ela funciona e como pode ser utilizada, vamos ao assunto título deste artigo, os mitos e verdades a respeito dessa tecnologia.

Conheça os principais mitos e verdades da prescrição digital

A prescrição de medicamentos, exames ou tratamentos faz parte do atendimento médico e é uma etapa que integrada a rotina desses profissionais. Com a digitalização desse ato, muitas dúvidas surgiram, ganhando maiores proporções na internet. 

Assim, para ajudar a desconstruir os mitos e propagar as afirmações verdadeiras, listamos e explicamos tudo sobre os mitos e verdades mais recorrentes sobre a prescrição digital.

1) A prescrição digital é só uma modinha passageira.

Um mito difundido, principalmente, por aqueles que estão insatisfeitos com esse novo recurso. Na verdade, a receita digital veio para ficar. Isso porque, em função da pandemia do novo coronavírus, ampliou-se o uso dessa tecnologia, trazendo muitos benefícios no momento de isolamento social.

Ainda, até por ocasião desse momento difícil, cresceu consideravelmente o volume de prescrições feitas digitalmente. Ademais, as vantagens não foram percebidas apenas pelos pacientes, mas também pelos médicos, que passaram a fazer suas prescrições de modo seguro, ágil e prático.

Por fim, a digitalização da receita médica favoreceu todos os agentes envolvidos no processo de prescrição de medicamentos, pois, agilizou a rotina do médico, do paciente e do farmacêutico.

Prontuário Eletrônico GratuitoPowered by Rock Convert

2) A receita digital não é passível de falsificação.

Verdade. Uma das preocupações mais comuns na aplicação da tecnologia na saúde é a maior suscetibilidade dos pacientes e médicos ao vazamento de dados confidenciais e à falsificação de prontuários, exames ou receitas médicas.

Ainda, as receitas prescritas manualmente podem ser facilmente clonadas, pois a única barreira que dificulta essa falsificação é o carimbo do médico, que também é facilmente replicado.

Em contrapartida, há um risco reduzido de fraudes na prescrição digital, uma vez que possui mecanismos que a torna à prova de fraudes, tais como, a assinatura eletrônica no padrão ICP-Brasil e o QR Code. 

3) A prescrição digital é mais segura para o paciente.

Mais uma afirmação verdadeira. Primeiro, a receita digital não é escrita manualmente, o que elimina a possível dificuldade de entendimento da escrita do médico. Assim, o paciente não corre o risco de sofrer com erros provocados pela leitura equivocada de uma receita.

Em segundo lugar, a conexão entre a ferramenta de prescrição digital e a base de dados integrada com bulário eletrônico auxilia os médicos a tomarem suas condutas. Dessa forma, o paciente também não fica sujeito aos riscos de uma interação medicamentosa ou uso de um princípio ativo que lhe causa alergia.

4) Posso levar a foto da receita manuscrita ao farmacêutico. 

Mito. A digitalização da receita médica não é um recurso conseguido por uma foto ou por escanar uma receita manuscrita. A prescrição digital é uma tecnologia que permite a elaboração deste documento no computador por meio de uma assinatura criptografada, lida por uma ferramenta na hora da dispensação do medicamento.

Ainda, após a prescrição do médico, o paciente recebe a receita em formato PDF no seu e-mail ou WhatsApp e apenas profissionais com CRM ativo podem assiná-la digitalmente. Assim, o paciente pode apresentar o documento no seu celular ao comprar um medicamento ou realizar um exame com toda a segurança.

5) Os dados das receitas digitais podem ser comercializados com a indústria farmacêutica. 

Um mito que está associado a uma preocupação real do momento em que vivemos. Porém, com o objetivo de evitar a comercialização dos dados dos pacientes. as plataformas que oferecem a prescrição eletrônica devem estar em conformidade com as regulamentações em vigor sobre segurança e privacidade desses dados.

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), em vigor é uma das normas que regulam quais informações dos usuários podem ou não podem ser disponibilizadas a terceiros. As boas práticas e as orientações integrantes dessa lei devem ser seguidas por todo provedor de tecnologia.

6) Apenas as grandes redes farmacêuticas tem tecnologia para receber a receita digital.

Outro mito. A receita digital é um recurso com grande capilaridade, abrangendo toda a rede farmacêutica do país, desde os grandes grupos detentores das principais bandeiras de farmácias até aquelas consideradas independentes. Com isso, o paciente tem a liberdade de escolher onde comprar o seu medicamento.

7) A receita digital é menos onerosa ao consultório.

Verdade. Diferente do que muitos imaginam, não é necessário um grande investimento financeiro para contar com a receita digital. Da mesma forma, dispor desse recurso não representará um despesa maior nas finanças do consultório. Isso porque o único pagamento necessário é a anuidade da empresa certificadora da assinatura digital.

Na verdade, a prescrição digital traz uma economia considerável para os profissionais de saúde, pois, promove a redução no uso de papel. Além disso, eliminam-se os gastos com serviços gráficos para elaboração de receituários personalizados.

Então, se você deseja melhorar a qualidade do atendimento e a experiência do paciente com o seu serviço, considere a implementação da prescrição digital no seu consultório!

Conheça o software médico gratuito do iMedicina, utilize a prescrição digital integrada ao prontuário eletrônico e veja como aumentar a satisfação dos seus pacientes!

metodologia imedicinaPowered by Rock Convert

Deixe seu
comentário

Compartilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Assuntos
Mais Procurados

Clínicas Digitais | Conheça o Livro
iMedicina Software Gratuito - Conheça!

Ainda não encontrou
o que buscava?

Método iMedicina

O iMedicina é uma das 10 Maiores Empresas de Tecnologia da Área de Saúde do Brasil, segundo a Distrito.me

Auxiliamos Profissionais de saúde nos 3 Pilares Fundamentais que precisam para prosperar na carreira: